Pluralismo jurídico, juridicidade e teoria jurídica intercultural no atual panorama da antropologia jurídica

Thadeu Augimeri de Goes Lima

Resumo


O artigo busca realizar um esforço sintético no sentido de aproximar e correlacionar o tema do pluralismo jurídico, o conceito de juridicidade, tal como tratado notadamente por Étienne Le Roy, e a proposta de constituição de uma teoria jurídica intercultural, esboçada por Christoph Eberhard, três tópicos de destacado interesse no atual panorama das abordagens antropológicas do fenômeno jurídico. Traça um breve retrospecto do surgimento e da evolução da antropologia jurídica, passa em seguida ao estudo do pluralismo jurídico e da ideia de juridicidade e ruma à análise do horizonte da aspirada teoria jurídica intercultural, em seus aspectos epistemológicos e metodológicos, encerrando com as conclusões obtidas no exame da matéria. Utiliza preferencialmente os métodos histórico-evolutivo, histórico-comparativo, comparativo e dialético.


Palavras-chave


antropologia jurídica; pluralismo jurídico; juridicidade; teoria jurídica intercultural

Referências


ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. Tradução de Sérgio Bath. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BERGER, Mirela. A teoria funcional em antropologia: análise comparativa dos conceitos de estrutura e função nas obras de Bronislaw Malinowski e Radcliffe-Brown. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2015.

BOHANNAN, Paul. A categoria injô na sociedade Tiv. In: DAVIS, Shelton H. (Org.). Antropologia do direito: estudo comparativo de categorias de dívida e contrato. Tradução de Neide Esterci e Lygia Sigaud. Rio de Janeiro: Zahar, 1974. p. 57-69.

CLASTRES, Pierre. Arqueologia da violência: pesquisas de antropologia política. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

______. A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. Tradução de Theo Santiago. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

DAVIS, Shelton H.. Introdução. In: ______ (Org.). Antropologia do direito: estudo comparativo de categorias de dívida e contrato. Tradução de Neide Esterci e Lygia Sigaud. Rio de Janeiro: Zahar, 1974. p. 9-24.

DURHAM, Eunice Ribeiro. Malinowski: uma nova visão da antropologia. In: ______. A dinâmica da cultura: ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2004. Cap. 5. p. 203-217.

EBERHARD, Christoph. Para uma teoria jurídica intercultural: o desafio dialógico. Direito e Democracia, Canoas, v. 3, n. 2, p. 489-530, jul./dez. 2002.

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

GLUCKMAN, Max. Obrigação e dívida. In: DAVIS, Shelton H. (Org.). Antropologia do direito: estudo comparativo de categorias de dívida e contrato. Tradução de Neide Esterci e Lygia Sigaud. Rio de Janeiro: Zahar, 1974. p. 25-56.

KELLY, John M.. Uma breve história da teoria do direito ocidental. Tradução de Marylene Pinto Michael. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

KROTZ, Esteban. Sociedades, conflictos, cultura y derecho desde una perspectiva antropológica. In: ______ (Ed.). Antropología jurídica: perspectivas socioculturales en el estudio del derecho. Rubí (Barcelona): Anthropos; México: Universidad Autónoma Metropolitana – Iztapalapa, 2002. p. 13-49.

LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. Tradução de Marie-Agnès Chauvel. São Paulo: Brasiliense, 2007.

LE ROY, Étienne. O lugar da juridicidade na mediação. Meritum, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 289-324, jul./dez. 2012.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

MAINE, Henry James Sumner. Ancient law: its connection with the early history of society and its relation to modern ideas. 4. ed. americana da 10. ed. inglesa. New York: Henry Holt and Company, 1906.

MALINOWSKI, Bronislaw. Crime e costume na sociedade selvagem. Tradução de Maria Clara Corrêa Dias. Brasília: Universidade de Brasília; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2003.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. A antropologia: uma chave para a compreensão do homem. In: LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. Tradução de Marie-Agnès Chauvel. São Paulo: Brasiliense, 2007. p. 9-11 (prefácio).

RADCLIFFE-BROWN, Alfred R.. Estrutura e função na sociedade primitiva. Tradução de Nathanael C. Caixeiro. Petrópolis: Vozes, 1973.

ROULAND, Norbert. Anthropologie juridique. Paris: Les Presses Universitaires de France, 1988.

______. Nos confins do direito. Tradução de Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2002 (Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. v. 1).

VACHON, Robert. L’étude du pluralisme juridique: une approche diatopique et dialogale. The Journal of Legal Pluralism and Unofficial Law, n. 29, p. 163-173, 1990.

VANDERLINDEN, Jacques. Return to legal pluralism: twenty years later. The Journal of Legal Pluralism and Unofficial Law, n. 28, p. 149-157, 1989.

VILLAS BÔAS FILHO, Orlando. A constituição do campo de análise e pesquisa da antropologia jurídica. Prisma Jurídico, São Paulo, v. 6, p. 333-349, 2007.

______. Tendências da análise antropológica do direito: algumas questões a partir da perspectiva francófona. Revista Direito GV, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 321-328, jan./jun. 2010.

______. Ancient Law: um clássico revisitado 150 anos depois. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 106/107, p. 527-561, 2011/2012.

______. Juridicidade: uma abordagem crítica à monolatria jurídica como obstáculo epistemológico. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 109, p. 281-325, jan./dez. 2014.

______. A regulação jurídica para além de sua forma ocidental de expressão: uma abordagem a partir de Étienne Le Roy. Revista Direito & Práxis, Rio de Janeiro, v. 6, n. 12, p. 159-195, jul./dez. 2015.

WOLKMER, Antonio Carlos. Pluralismo jurídico: fundamentos de uma nova cultura no direito. 2. ed. São Paulo: Alfa Omega, 1997.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.52.644

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104