Justiça de transição: teoria e metodologia de análise (contribuições da teoria intercultural da constituição)

Bruno Galindo

Resumo


O presente trabalho debate as possibilidades de análise do fenômeno da justiça de transição a partir da proposta de fundamentos metodológicos e teóricos consistentes. Considerando que tal temática, como muitas outras no âmbito jurídico, por vezes deixa-se levar pelo passionalismo político, faz-se necessária a construção de um razoável rigor metodológico no tratamento temático para que os trabalhos a respeito possam ser efetivamente científicos. Com esse intento, o artigo propõe em linhas preliminares uma metodologia constitucional intercultural de análise da justiça de transição a partir da denominada “teoria intercultural da constituição” e de seus princípios fundamentais, criticismo, abertura, pluralismo, universalismo, particularismo e contextualismo, procurando compreender as relações entre o constitucionalismo e a justiça de transição. Também vislumbra, ao final, um esboço da potencialidade dessa perspectiva metodológica em relação a algumas experiências concretas de justiça de transição, no caso, as alemãs (pós-nazismo e pós-reunificação), a sul-africana, a argentina, a chilena e a brasileira.

Palavras-chave


justiça de transição, constitucionalismo, teoria intercultural, metodologia constitucional

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ACUÑA, Carlos H. Transitional Justice in Argentina and Chile: A Never-Ending Story? In: ELSTER, Jon (org.). Retribution and Reparation in the Transition to Democracy. New York: Cambridge University Press, 2006, pp. 206-238.

ADEODATO, João Maurício. Filosofia do Direito (Uma Crítica à Verdade na Ética e na Ciência). São Paulo: Saraiva, 1996.

ANDRÉ, João Maria. Interculturalidade, Comunicação e Educação para a Diferença. In: RIBEIRO, Maria Manuela Tavares (org.). Identidade Europeia e Multiculturalismo. Coimbra: Quarteto, 2002, pp. 255-276.

BALDI, César Augusto. Guerrilha do Araguaia e direitos humanos: considerações sobre a decisão da Corte Interamericana. In: GOMES, Luiz Flávio & MAZZUOLI, Valério de Oliveira (orgs.). Crimes da Ditadura Militar – Uma análise à luz da jurisprudência atual da Corte Interamericana de Direitos Humanos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, pp. 154-173.

BENVENUTO, Jayme. Universalismo, relativismo e direitos humanos: uma revisita contingente. Lua Nova. São Paulo, 94, pp. 117-142, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ln/n94/01026445-ln-94-00117.pdf, acesso: 03/01/2017.

BICKFORD, Louis. Transitional Justice. The Encyclopedia of Genocide and Crimes Against Humanity, vol. 3, Macmillan Reference USA, pp. 1045-1047, 2004.

BIDELEUX, Robert. Extending the European Union’s Cosmopolitan Supranational Legal Order Eastwards: the Main Significance of the Forthcoming ‘Eastward Enlargement’ of the European Union. In: RIBEIRO, Maria Manuela Tavares (org.). Identidade Europeia e Multiculturalismo. Coimbra: Quarteto, 2002, pp. 129-164.

BONAVIDES, Paulo & ANDRADE, Paes de. História constitucional do Brasil. 4ª ed. Brasília: OAB, 2002.

BRADLEY, Anthony. The Sovereignty of Parliament – Form or Substance? In: JOWELL, Jeffrey & OLIVER, Dawn (orgs.). The Changing Constitution. 5ª ed. Oxford: University Press, 2004, pp. 26-61.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Nova Ordem Mundial e Ingerência Humanitária (Claros-Escuros de um Novo Paradigma Internacional). Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, vol. LXXI, pp. 1-26, 1995.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 6ª ed. Coimbra: Almedina, 2002.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. A Constituição Européia Entre o Programa e a Norma. In: NUNES, António Avelãs & COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda (orgs.). Diálogos Constitucionais: Brasil/Portugal. Rio de Janeiro: Renovar, 2004, pp. 15-22.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. “Brancosos” e Interconstitucionalidade – Itinerários dos discursos sobre a historicidade constitucional. Coimbra: Almedina, 2006.

CHRISTODOULIDIS, Emilios & VEITCH, Scott. Reconciliation as surrender: configurations of responsibility and memory. In: DU BOIS, François & DU BOIS-PEDAIN, Antje (orgs.). Justice and Reconciliation in Post-Apartheid South Africa. Cambridge: University Press, 2008, pp. 9-36.

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda (org.). Canotilho e a Constituição Dirigente. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

DUINA, Francesco & BREZNAU, Nathan. Constructing Common Cultures: The Ontological and Normative Dimensions of Law in the European Union and Mercosur. European Law Journal. Oxford: Blackwell, vol. 8, nº 4, pp. 574-595, 2002.

FERNÁNDEZ NEIRA, Karinna. La jurisprudência de la Corte Suprema Chilena, frente a las graves violaciones contra los derechos humanos cometidos durante la dictadura militar. In: GOMES, Luiz Flávio & MAZZUOLI, Valério de Oliveira (orgs.). Crimes da Ditadura Militar – Uma análise à luz da jurisprudência atual da Corte Interamericana de Direitos Humanos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, pp. 277-312.

FERRAZ JR., Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito – Técnica, Decisão, Dominação. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2001.

GALINDO, Bruno. Entre os Sonhos de Rosa Luxemburg e a Realidade de Erich Honecker – Para Não Esquecer as Lições da Antiga República Democrática Alemã. Revista da Faculdade de Direito de Caruaru. Caruaru: Associação Caruaruense de Ensino Superior, v. 36, nº 1, pp. 81-108, 2005.

GALINDO, Bruno. Teoria Intercultural da Constituição (a transformação paradigmática da Teoria da Constituição diante da integração interestatal na União Européia e no Mercosul). Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.

GALINDO, Bruno. Direitos humanos e justiça constitucional transicional: ainda sob(re) as sombras do passado autoritário. In: SILVA, Artur Stamford da (org.). O judiciário e o discurso dos direitos humanos. Recife: Universitária/UFPE, pp. 221-264, 2011.

GALINDO, Bruno. Justiça de transição na América do Sul: Possíveis lições da Argentina e do Chile ao processo constitucional de transição no Brasil. In: FEITOSA, Enoque; FREITAS, Lorena; SILVA, Artur Stamford da; CATÃO, Adrualdo & RABENHORST, Eduardo (orgs.). O judiciário e o discurso dos direitos humanos. Recife: UFPE, vol. 2, pp. 197-240, 2012.

GALINDO, Bruno. Constitucionalismo e justiça de transição: em busca de uma metodologia de análise a partir dos conceitos de autoritarismo e democracia. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, nº 67, pp. 75-104, 2015.

GARCÍA-RAMÍREZ, Sergio. Relación entre la jurisdicción interamericana y los Estados (sistemas nacionales). Algunas cuestiones relevantes. Anuario Iberoamericano de Justicia Constitucional. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, nº 18, pp. 231-273, 2014.

GOLDENSOHN, Leon. As entrevistas de Nuremberg (trad. Ivo Korytowski). São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

GOMES, Luiz Flávio & MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Crimes da ditadura militar e o “Caso Araguaia”: aplicação do direito internacional dos direitos humanos pelos juízes e tribunais brasileiros. In: GOMES, Luiz Flávio & MAZZUOLI, Valério de Oliveira (orgs.). Crimes da Ditadura Militar – Uma análise à luz da jurisprudência atual da Corte Interamericana de Direitos Humanos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, pp. 49-72.

GONÇALVES, Joanisval Brito. Tribunal de Nuremberg 1945-1946: A Gênese de uma Nova Ordem no Direito Internacional. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

GREIFF, Pablo De. La Contribución de la Justicia Transicional a la Construcción y Consolidación de la Democracia. In: BLEEKER, Mô; CIURLIZZA, Javier & BOLAÑOS-VARGAS, Andrea (orgs.). Memorias – Conference Paper. Serie Enfrentando el Pasado - El Legado de la Verdad: Impacto de la Justicia Transicional en la Construcción de la Democracia en América Latina. Bogotá: ICTJ, 2007, pp. 25-35.

GRIMM, Dieter. Constituição e Política (trad. Geraldo de Carvalho). Belo Horizonte: Del Rey, 2006.

HÄBERLE, Peter. Europäisches Rechtskultur – Versuch einer Annäherung in zwölf Schriften. Baden-Baden: Nomos Verlagsgesellschaft,1994.

HÄBERLE, Peter. Un Jurista Europeo Nascido en Alemania” (Entrevista a Francisco Balaguer Callejón). Anuario de Derecho Constitucional y Parlamentario. Murcia: Asamblea Regional/Universidad, nº 9, pp. 9-49, 1997.

HÄBERLE, Peter. Teoría de la Constitución como Ciencia de la Cultura (trad. Emilio Mikunda) Madrid: Tecnos, 2000.

HÄBERLE, Peter. Pluralismo y Constitución (Estudios de Teoría Constitucional de la Sociedad Abierta) (trad. Emilio Mikunda). Madrid: Tecnos, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Direito e Democracia – Entre Facticidade e Validade (trad. Flávio Beno Siebeneichler). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, vol. I, 1997.

HESSE, Konrad. Elementos de Direito Constitucional da República Federal da Alemanha (trad. da 20ª ed. – Luís Afonso Heck). Porto Alegre: Sergio Fabris, 1998.

JUNJI, Annen. Constitutionalism as a Political Culture (trad. Lee H. Rousso). Pacific Rim – Law & Policy Journal. Washington: University, vol. 11, nº 3, pp. 561-576, 2002.

KANT, Immanuel. Fundamentação da Metafísica dos Costumes (trad. Paulo Quintela). Lisboa: Edições 70, 1995.

LASSALLE, Ferdinand. A Essência da Constituição (trad. Walter Stönner). 4ª ed., Rio de Janeiro: Lumen Juris, 1998.

LEMAN-LANGLOIS, Stéphane & SHEARING, Clifford. Transition, forgiveness and citizenship: the TRC and the social construction of forgiveness. In: DU BOIS, François & DU BOIS-PEDAIN, Antje (orgs.). Justice and Reconciliation in Post-Apartheid South Africa. Cambridge: University Press, 2008, pp. 206-228.

LIRA, Elizabeth. Chile 1990-2007: Políticas de Verdad, Reparación y Justicia. In: BLEEKER, Mô; CIURLIZZA, Javier & BOLAÑOS-VARGAS, Andrea (orgs.). Memorias – Conference Paper. Serie Enfrentando el Pasado - El Legado de la Verdad: Impacto de la Justicia Transicional en la Construcción de la Democracia en América Latina. Bogotá: ICTJ, 2007, pp. 198-209.

LITVACHKY, Paula. La Respuesta Penal a los Crímenes del Terrorismo de Estado en Argentina. In: BLEEKER, Mô; CIURLIZZA, Javier & BOLAÑOS-VARGAS, Andrea (orgs.). Memorias – Conference Paper. Serie Enfrentando el Pasado - El Legado de la Verdad: Impacto de la Justicia Transicional en la Construcción de la Democracia en América Latina. Bogotá: ICTJ, 2007, pp. 108-117.

LINZ, Juan L. & STEPAN, Alfred. A Transição e Consolidação da Democracia (A Experiência do Sul da Europa e da América do Sul) (trad. Patrícia de Queiroz Carvalho Zimbres). São Paulo: Paz e Terra, 1999.

LOEWENSTEIN, Karl. Teoría de la Constitución (trad. Alfredo Gallego Anabitarte). Barcelona: Ariel, 1964.

MAGEE, Bryan. Qual a Utilidade de Popper para um Político? (trad. Luiz Paulo Roaunet). In: O’HEAR, Anthony (org.). Karl Popper: Filosofia e Problemas. São Paulo: UNESP, 1997, pp. 307-324.

MATURANA, Humberto. Cognição, Ciência e Vida Cotidiana (trad. Cristina Magro & Victor Paredes). Belo Horizonte: UFMG, 2001.

NEVES, Marcelo. Transconstitucionalismo. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

NEWTON-SMITH, W. H. Popper, Ciência e Racionalidade (trad. Luiz Paulo Roaunet). In: O’HEAR, Anthony (org.). Karl Popper: Filosofia e Problemas. São Paulo: UNESP, 1997, pp. 21-40.

NUNES, João Arriscado. Teoria Crítica, Cultura e Ciencia: O(s) Espaço(s) e o(s) Conhecimento(s) da Globalização. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (orgs.) Globalização – Fatalidade ou Utopia? Porto: Afrontamento, 2002, pp. 297-338.

PANIKKAR, Raimundo. Seria a Noção de Direitos Humanos uma Concepção Occidental? In: BALDI, César Augusto (org.). Direitos Humanos na Sociedade Cosmopolita. Rio de Janeiro: Renovar, 2004, pp. 205-238.

PEGORARO, Lucio. Derecho nacional, derecho internacional, derecho europeo: la circulación y vertical entre formantes. Anuario Iberoamericano de Justicia Constitucional. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, nº 17, pp. 257-293, 2013.

PÉREZ BARBERÁ, Gabriel. Impunidad y punición en Argentina. In: SABADELL, Ana Lúcia; SIMON, Jan-Michael & DIMOULIS, Dimitri (orgs.). Justiça de Transição: das anistias às comissões de verdade. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014, pp. 41-68.

PIOVESAN, Flávia. Lei de anistia, sistema interamericano e o caso brasileiro. In: GOMES, Luiz Flávio & MAZZUOLI, Valério de Oliveira (orgs.). Crimes da Ditadura Militar – Uma análise à luz da jurisprudência atual da Corte Interamericana de Direitos Humanos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, pp. 73-86.

POPPER, Karl R. A Sociedade Aberta e seus Inimigos (trad. Milton Amado). Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/USP, tomo I, 1987a.

POPPER, Karl R. A Sociedade Aberta e seus Inimigos (trad. Milton Amado). Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/USP, tomo II, 1987b.

POPPER, Karl R. A Vida é Aprendizagem – Epistemologia Evolutiva e Sociedade Aberta (trad. Paula Taipas). Lisboa: Edições 70, 2001a.

POPPER, Karl R. A Lógica da Pesquisa Científica (trad. Leônidas Hegenberg & Octanny Silveira da Mota). 9ª ed. São Paulo: Cultrix, 2001b.

POPPER, Karl. Unended Quest. Londres: Routledge, 2002.

RASMUSSEN, Hjalte. Denmark’s Maastricht Ratification Case: The Constitutional Dimension. In: JYRÄNKI, Antero (org.). National Constitutions in the Era of Integration. London: Kluwer Law International, 1999, pp. 87-112.

REALE, Giovanni & ANTISERI, Dario. História da Filosofia. 3ª ed. São Paulo: Paulus, vol. III, 1991.

ROSENBERG, Tina. Terra Assombrada (enfrentando os fantasmas da Europa depois do comunismo) (trad. Renato Aguiar). Rio de Janeiro: Record, 1999.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Por uma Concepção Multicultural de Direitos Humanos. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Reconhecer para Libertar – Os Caminhos do Cosmopolitismo Multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, pp. 427-462.

SANTOS, Boaventura de Sousa & NUNES, João Arriscado. Introdução: Para Ampliar o Cânone do Reconhecimento, da Diferença e da Igualdade. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Reconhecer para Libertar – Os Caminhos do Cosmopolitismo Multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, pp. 25-68.

SIERRA PORTO, Humberto A. La Función de la Corte Constitucional en la Protección de los Derechos de las Víctimas a la Verdad, la Justicia y la Reparación en Colombia. Anuario de Derecho Constitucional Latinoamericano. Montevideo: Konrad Adenauer Stiftung, Ano XV, pp. 179-188, 2009.

TRINDADE, Antonio Augusto Cançado. Direitos Humanos: Personalidade e Capacidade Jurídica Internacional do Indivíduo. In: BRANT, Leonardo Nemer Caldeira (org.). O Brasil e os novos desafios do direito internacional. Rio de Janeiro: Forense, 2004, pp. 199-264.

UPRIMNY, Rodrigo & SAFFON, María Paula. Justicia Transicional y Justicia Restaurativa – Tensiones y Complementaridades, 2010. Disponível em http://www.idrc.ca/en/ev-84576-201-1-DO_TOPIC.html, acesso: 26/11/2010.

VAJLI, Nahla. Transitional Justice and Development in South Africa. In: “New Horizons” Conference - Working Group on Peace and Development (FriEnt), Berlin, 27-28 de janeiro de 2010. Disponível em www.frient.de/downloads/Nahla_Valji_Paper_final.pdf, acesso: 02/12/2010.

VAJLI, Nahla. Verdade e Reconciliação na África do Sul, 2009. Disponível em http://www.ibase.org.br/modules.php?name=Conteudo&pid=902, acesso: 20/05/2010.

VERDÚ, Pablo Lucas. La Constitución Abierta y sus “Enemigos”. Madrid: Universidad Complutense/Beramar, 1993.

VERDÚ, Pablo Lucas. Curso de Derecho Político. Madrid: Editorial Technos, 1998.

WÄCHTERSHÄUSER, Günter. Os Usos de Karl Popper (trad. Luiz Paulo Roaunet). In: O’HEAR, Anthony (org.). Karl Popper: Filosofia e Problemas. São Paulo: UNESP, 1997, pp. 211-226.

WARAT, Luis Alberto. Introdução Geral ao Direito II – A Epistemología Jurídica da Modernidade. Porto Alegre: Sergio Fabris, 1995.

WARAT, Luis Alberto. A Ciência Jurídica e seus dois maridos. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2000.

WORRAL, John. “Revolução Permanente”: Popper e a Mudança de Teorias na Ciencia. (trad. Luiz Paulo Roaunet). In: O’HEAR, Anthony (org.). Karl Popper: Filosofia e Problemas. São Paulo: UNESP, 1997, pp. 91-124.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.52.773

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104