O recrutamento de magistrados no judiciário brasileiro: uma reflexão sobre reserva de vagas para pessoas portadoras de deficiência à luz da teoria da justiça

Luciano Athayde Chaves

Resumo


O presente artigo objetiva estudar as ações afirmativas de reserva de vagas nos concursos para a magistratura nacional a partir da teoria da justiça, analisando sua conformidade com o princípio da igualdade de oportunidades que deve caracterizar as sociedades democráticas contemporâneas. O exame do referencial teórico oferecido por John Rawls, Ronald Dworkin e Amartya Sen permitiu concluir que as regras do Conselho Nacional de Justiça, que tratam da reserva de vagas a pessoas portadores de deficiência, estão em consonância com os princípios de correção de justiça material, porquanto asseguram a justa oportunidade a esse grupo social, em razão da sua incapacidade para desenvolverem, no jogo do mercado, em igualdade de condições, projetos razoáveis de vida. A investigação também concluiu que, nada obstante a propriedade dessas ações afirmativas, algumas questões ainda estão em aberto, como os parâmetros institucionais relativos ao desenvolvimento da carreira, até mesmo por serem recentes essas políticas de discriminação inversa na composição da magistratura.


Palavras-chave


Recrutamento de juízes; Judiciário; Reserva de vagas; candidatos portadores de deficiência; Teoria da Justiça

Referências


BITTAR, Eduardo C. B.; ALMEIDA, Guilherme Assis de. Curso de filosofia do Direito. São Paulo: Atlas, 2015.

CHAVES, Daniela Lustoza Marques de Souza. Mercado de trabalho e discriminação etária: a vulnerabilidade dos trabalhadores ‘envelhescentes’. São Paulo: LTr, 2006.

DALLARI, Dalmo. O poder dos juízes. São Paulo: Saraiva, 1996.

DWORKIN, Ronald. A virtude soberana: a teoria e a prática da igualdade. São Paulo: Martins Fontes, 2005a.

__________. Uma questão de princípio. São Paulo: Martins Fontes, 2005b.

__________. Justice for hedgehogs. Harvard Press: Cambridge/London, 2011.

FERRAZ, Octávio Luiz Motta. Justiça distributiva para formigas e cigarras. Novos estudos - CEBRAP [online], São Paulo, n.77, pp. 243-253, 2007.

GARAPON, Antoine. Bem julgar: ensaio sobre o ritual judiciário. Lisboa: Piaget, 1999.

HESSE, Konrad. A força normativa da Constituição. Porto Alegre: Fabris, 1991.

LEITE, Carina Lellis Nicoll Simões. As audiências públicas no STF: mero instrumento de legitimação formal? In: SARMENTO, Daniel (coord.). Jurisdição constitucional e política. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

POMPEU, Gina Vidal Marcílio; SIQUEIRA, Natércia Sampaio. Realização da justiça, oportunidade e capacidade: da igualdade formal à igualdade material no que concerne ao acesso à educação superior dos negros por meio do sistema de cotas nas universidades. In: ALEXY, Robert; BAEZ, Narciso Leandro Xavier; SANDKÜHLER, Hans Jörg; HAHN, Paulo (orgs.). Níveis de efetivação dos direitos fundamentais civis e sociais: um diálogo Brasil e Alemanha. Joaçaba: Editora Unoesc, 2013.

RAWLS, John. Justiça e democracia. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

__________. El liberalismo político. Tradução: Antoni Domènech. Barcelona: Crítica, 1996.

SILVA, Marcel Régis Valente da. Cotas raciais em concurso público: análise de sua constitucinonalidade. Disponível em: http://www.repositorio.uniceub.br. Acesso em 06.12.2015.

SEN, Amartya. A ideia de justiça. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

WALZER, Michel. Esferas da justiça: uma defesa do pluralismo e da igualdade. São Paulo Martins Fontes, 2003.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Poder Judiciário. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1995.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.52.613

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104