Direito ao meio ambiente saudável: implicações do uso e acesso aos recursos naturais na perspectiva das políticas para mulheres no Brasil

Maria Eliane Alves Sousa

Resumo


Resumo: Este artigo aborda os direitos de proteção das mulheres no contexto do meio ambiente. O objetivo é identificar, nas ações estratégicas do Plano Nacional de Políticas para Mulheres, a defesa ao acesso às fontes de energia eficientes e o combate às formas de violência contra as mulheres e meninas geradas por setores de grandes obras. Os Planos revelam que as mulheres são mais afetadas pela falta de acesso e insegurança quanto à disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento; e pela insegurança quanto ao acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos, situações agravadas pelo mau uso dos recursos e mudanças climáticas. Os efeitos das grandes obras sobre as mulheres são o crescimento da prostituição e da violência, devido à exclusão do mercado de trabalho, deixando-as sem alternativas e mais vulneráveis. Conclui-se que, a defesa e garantia do direito ao meio ambiente saudável e sustentável, em relação aos aspectos legislativos e jurídicos é papel do Estado. A sociedade civil pode enfrentar atos que violam esse direito mediante, por exemplo, cooperação organizacional e institucional e ações educativas. 

Palavras-chave: direitos das mulheres, bioética, meio ambiente saudável, justiça social, combate à violência, inclusão social.

Abstract: This article addresses women's protection rights in the context of the environment. The objective is to identify, in the strategic actions of the National Plan of Policies for Women, the defense of access to efficient energy sources and the fight against forms of violence against women and girls generated by sectors of major works. The Plans consider that women and girls are most affected by the lack of access and insecurity regarding the availability and sustainable management of water and sanitation; and insecurity as to reliable, sustainable, modern and affordable access to energy for all, situations aggravated by the misuse of resources and climate change. The effects of large companies on women are the growth of prostitution and violence, due to exclusion from the labor market, leaving them without alternatives and more vulnerable. It is concluded that the defense and guarantee of the right to a healthy and sustainable environment, in relation to legislative and legal aspects, is the role of the State. Civil society can face acts that violate this right through, for example, organizational and institutional cooperation and educational actions.  

Keywords: women's rights, bioethics, healthy environment, social justice, combating violence, social inclusion.


Palavras-chave


direitos das mulheres; bioética; meio ambiente saudável; justiça social; combate à violência; inclusão social.

Referências


AFIRMATIVA. Carta das Mulheres Negras ao Supremo Tribunal Federal: contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver. Revista Afirmativa, 30 set. 2020. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2020.

ANTUNES, Paulo Bessa. Direito ambiental. Rio de Janeiro: Lúmen júris, 2001.

AYRES, José Ricardo. Vulnerabilidade e AIDS: para uma resposta social à epidemia. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo/Programa de DST/AIDS. Boletim Epidemiológico. v.15, n.3, 1997, p.2-4. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2017.

AZEVEDO, Maria Alice da Silva. Origens da Bioética. Nascer e Crescer, v.19, n.4, p.255-259, 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 jan. 2020.

BARBOZA, Heloisa Helena. Princípios da Bioética e do Biodireito. Revista Bioética, v.8, n.2, 2000. Disponível em: http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view

/276/275>. Acesso em: 24 jan. 2020.

BARROSO, Luís Roberto. A dignidade da pessoa humana no direito constitucional contemporâneo: natureza jurídica, conteúdos mínimos e critérios de aplicação. Versão provisória para debate público. Mimeografado, 2010. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2017.

BARROSO, Luís Roberto. O novo direito constitucional brasileiro. Belo Horizonte: Fórum, 2013.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. I Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2004. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2008. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. III Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2013. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2017.

BRASIL. Coordenação-Geral de Educação Ambiental (COEA). Programa Nacional de Capacitação de Gestores Ambientais Municipais. Curitiba (PR): 2010.

BRASIL. Presidência da República. Transformando nosso mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, 2015. Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil [recurso eletrônico]. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2016a. – (Série textos básicos; n. 113). Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2018.

BRASIL. Relatório final da IV Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretária Especial de Políticas para as Mulheres, 2016b. Disponível em: . Acesso: 04 set. 2019.

CASTRO, Mary Garcia; ABRAMOVAY, Miriam. Gênero e meio ambiente. 2. ed. rev. São Paulo: Cortez, 2003.

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA. Carta das Mulheres Negras contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver, 2015. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2020.

GARCIA, Leonardo de Medeiros; THOMÉ, Romeu Direito Ambiental: princípios e competências constitucionais. 8. ed. rev. e atual. Salvador: Juspodium, 2015.

GARRAFA, Volnei; PORTO, Dora. Intervention bioethics: a proposal for peripheral countries in a context of power and injustice. Bioethics, v. 17, n. 5-6, p.399-416, 2003. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2020.

KAMIMURA, Akemi; VIEIRA, Oscar Vilhena; Ghirardi, José Garcez; FEFERBAUM, Marina. Direitos humanos e vida cotidiana. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2017.

LIMA, Williams da Silva Guimarães de; BARROSO, Fábio de Andrade; SILVA, José Martinho de Albuquerque; OLIVEIRA, Jefferson Cardoso; MACIEL, Tuanny da Silva; SOUZA, George Henriques de. Impactos ambientais na produção de energia na hidroelétrica. Revista Campo do Saber, v. 4, n. 4, p. 106-132, Ago./set. 2018. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2018.

LOTTA, Gabriela. Burocracia, redes sociais e interação: uma análise da implementação de políticas públicas. Rev. Sociol. Polit., v. 26, n. 66, p. 145-173, jun. 2018. Acesso em: 01 nov. 2020. Disponível em: .

MABTUM, Mateus Massaro; MARCHETTO, Patrícia Borba. O debate bioético e jurídico sobre as diretivas antecipadas de vontade. São Paulo: Editora UNESP, 2015.

MORAN, Emilio F.; LOPEZ, Maria Claudia; MOORE, Nathan; MÜLLER, Norbert; HYNDMAN, David W. Sustainable hydropower in the 21st century. PNAS, v. 115, n. 47, Nov. 2018, p. 11891–11898. Disponível em: . Acesso: 23 mar. 2019.

OLIVEIRA, Vanessa Elias. As fases do processo de políticas públicas. In: MARCHETTI, Vitor (Org.). Políticas públicas em debate. São Bernardo do Campo: UFABC, 2013.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS - Regulamento Sanitário Internacional (2005). World Health Assembly – WHA58.3. Genebra, 2005. (versão em espanhol).

ONU MULHERES. Entidade das Nações Unidas para igualdade e empoderamento das mulheres. Declaração e Programa de Ação de Viena, 1993. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2013/03/declaracao_viena.pdf>. Acesso: maio de 2018.

ONU MULHERES. Entidade das Nações Unidas para igualdade e empoderamento das mulheres. Declaração e Plataforma de Ação de Pequim, 1995. Disponível em: . Acesso: maio de 2018.

ONU MULHERES – Entidade das Nações Unidas para igualdade e empoderamento das mulheres. Mais igualdade para as mulheres brasileiras: caminhos de transformação econômica e social. Encarte Brasil baseado no Relatório “O Progresso das Mulheres no Mundo 2015-2016”. Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2016.

ONU MUJERES. Entidade das Nações Unidas para igualdade e empoderamento das mulheres. Hacer las promesas realidad: la igualdad de género en la agenda 2030 para el desarrollo sostenible. New York, NY, EUA, 2018. Disponível em: . Acesso: 24 abr. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Declaração de Estocolmo, 1972. Report of the United Nations conference on the human environment, 1972. Disponível em: . Acesso: 21 dez. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Declaração sobre o Direito ao Desenvolvimento. Resolução n.º 41/128 da Assembléia Geral das Nações Unidas, de 4 de dezembro de 1986. Disponível em: . Acesso em: 21 mai. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher - Cedaw 1979, 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA - UNESCO. Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos, 2006. Comissão Nacional da UNCO – Portugal. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. A ONU e o meio ambiente. 2018 Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Seminário online sobre impacto do setor de mineração sobre mulheres e meninas, 2019 Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2019.

PEREIRA, Potyara Amazoneida. Necessidades humanas: subsídios à crítica dos mínimos sociais. São Paulo: Cortez, 2000.

PINTANGUY, Jacqueline. As mulheres e a Constituição de 1988. CEPIA.ORG. 2008. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2020.

PORTO, Marcelo Firpo. Complexidade, processos de vulnerabilização e justiça ambiental: Um ensaio de epistemologia política. Revista Crítica de Ciências Sociais, 93, p. 31‑58, Junho 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

SASSAKI, Paula Coelho. Mulheres e mineração: protagonismos e narrativas de mulheres acerca dos impactos e das mudanças vividas em Conceição do Mato Dentro a partir do empreendimento Minas-Rio. 2019. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) ˗ Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019. Disponível em: . Acesso: 24 jan. 2020.

SILVA, Salete Maria da. A carta que elas escreveram: a participação das mulheres no processo de elaboração da Constituição Federal de 1988. Tese (doutorado). Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2011.

STURZA, Janaína Machado; GRANDO, Juliana Bedin Grando. O meio ambiente sustentável e a promoção do direito à saúde: uma interconexão necessária. Revista Direito Ambiental e sociedade, v. 5, n. 2, p. 128-150, 2015. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2017.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.0.1425

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Direito, Estado e Sociedade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 1516-6104