Estado Socioambiental de Direito e Direitos Humanos: os danos de Belo Monte a partir da perspectiva de gênero

Marcelo Cesar Bauer Pertille, Thais Silveira Pertille

Resumo


Resumo: Considerando a formação do Estado Socioambiental de Direito no Brasil e a não concretização dos Direitos Humanos das Mulheres da Amazônia, questionase, a partir do caso da instalação da usina hidrelétrica de Belo Monte no Pará, se o modelo de justiça proclamado pela Constituição brasileira tem se efetivado diante das especificidades das demandas daquelas que tiveram a dignidade violada pela desconstituição do próprio ambiente. O método empregado é o dedutivo e o procedimento é o monográfico, sendo utilizado como critério de pesquisa o bibliográfico. Toma-se a abordagem de Martha Nussbaum sobre as capacidades humanas centrais analisadas da perspectiva do gênero feminino para compreender os impactos ambientais e humanos que envolveram as mulheres atingidas pela usina. Denota-se da pesquisa os impactos socioambientais causados pela construção e funcionamento de Belo Monte, em especial os que atingiram a comunidade ribeirinha que, tomada a partir da divisão das dez capacidades elencadas pela autora, demonstram que a perda de conexão com o ambiente reflete-se decisivamente como perda de dignidade. Ademais, procura-se analisar como o aumento da violência urbana, maximizada em proporções aviltantes frente às variadas espécies de direitos humanos, envolveu-se na destituição de capacidades das deslocadas ambientais de Belo Monte.

Palavras-chave: perspectiva de gênero, Estado Socioambiental de Direito, Belo Monte, Direitos Humanos das Mulheres.

Abstract: Considering the formation of the Socio-Environmental State of Law in Brazil and the non-realization of the Human Rights of the Women from Amazon, it is questioned, from the case of the installation of the Belo Monte hydroelectric plant in Pará, if the model of justice proclaimed by the Brazilian Constitution has become effective faced the specificities of the demands of those who had their dignity violated by the destruction of their own environment. The method used is the deductive and the procedure is the monographic one, being used as bibliographic research criterion. Martha Nussbaum's approach on the central human capabilities analyzed from the perspective of the female gender is taken to understand the environmental and human impacts that affected the women affected by the plant. The research shows the socio-environmental impacts caused by the construction and operation of Belo Monte, especially those that reached the riverside community, which, taken from the division of the ten capacities listed by the author, demonstrate that the loss of connection with the environment reflects, decisively as a loss of dignity. In addition, it seeks to analyze how the increase in urban violence, maximized in demeaning proportions against the different species of human rights, was involved in the removal of capacities of the displaced people of Belo Monte.

Keywords: Human Rights, social and environmental Law, Belo Monte, Human Rights of Women. 


Palavras-chave


direitos humanos; direitos das mulheres; capacidades; Belo Monte; Desenvolvimento

Referências


BECK, Ulrich. Sociedade de risco. 2ª Ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Nota nº 142. Solicitação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA. 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2018.

BRUM, Eliane. A Veneza de Belo Monte. El País. 2018. Disponível em: Acesso em: 18 nov. 2018.

BRUM, Eliane. Belo Monte, empreiteiras e espelhinhos: Como a mistura explosiva entre o público e o privado, entre o Estado brasileiro e as grandes construtoras, ergueu um monumento à violência, à beira do Xingu, na Amazônia. El País. 2015. Disponível em: . Acesso em: 27/11/2018.

CIDH. Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Medidas outorgadas pelo CIDH no ano de 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2018.

ESTOCOLMO. Declaração de Estocolmo sobre o Meio Ambiente Humano. 1972. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2018.

FAINGUELERNT. Maíra Borges. Belo Monte: o estado democrático de direito em questão. 1ª Ed. Rio de Janeiro: Apicuri, 2013.

FEARNSIDE, Philip M. Alumínio e Barragens: A maldição dos recursos naturais. Amazônia Real. 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2018.

FELIPE, Sônia T. O cuidado na ética ecoanimalista feminista. In: BORGES, Maria de Lourdes; TIBURI, Marcia. Filosofia: machismos e feminismos. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

FENSTERSEIFER, Tiago. Estado socioambiental de direito e o princípio da solidariedade como seu marco jurídico-constitucional. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 13, n. 1669, 26 jan. 2008. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2018.

FGV; IFC. Grandes Obras na Amazônia: Aprendizados e Diretrizes. 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2018.

FRANCESCO, Ana de; HARARI, Isabel. A luta dos ribeirinhos no Xingu: Será que todo mundo evaporou? Le Monde Brasil. 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2018.

HÄBERLE, Peter. A dignidade humana como fundamento da comunidade estatal. In: SARLET, Ingo Wolfgang (org.). Dimensões da Dignidade: ensaios de Filosofia do Direito e Direito Constitucional. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

ISA. Instituto Socioambiental. Atlas dos impactos da UHE Belo Monte sobre a pesca/ organização Ana De Francesco e Cristiane Carneiro. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2015.

ISA. Instituto Socioambiental. Cinco anos após início da instalação de Belo Monte, Ibama reconhece impactos na pesca. 2016. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2017.

LEITE, José Rubens Morato; AYALA, Patrick de Araújo. Estado de direito ambiental e sensibilidade ecológica: os novos desafios à proteção da natureza em um direito ambiental de segunda geração. In: WOLKMER, Antonio Carlos; LEITE, José Rubens Morato (orgs.). Os “novos” direitos no Brasil: naturezas e perspectivas – uma visão básica das novas conflituosidades jurídicas. São Paulo: Saraiva, 2012.

LEITE, José Rubens Morato (Coordenador). Manual de direito ambiental. São Paulo: Saraiva, 2015.

LOUREIRO, Violeta Refjalefsky. Amazônia: uma história de perdas e danos, um futuro a (re)construir. Estudos avançados, São Paulo, v.16, n. 45, maio/agosto 2002.

MAB. Movimento dos Atingidos por Barragens. As violações dos direitos das mulheres atingidas e a luta pela vida. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2018.

NUSSBAUM, Martha C. Fronteiras da Justiça: Deficiência, Nacionalidade, Pertencimento à Espécie. São Paulo – SP: WMF Martins Fontes Ltda, 2013.

PADINHA, Marcel Ribeiro. Grandes objetos na amazônia: das velhas lógicas hegemônicas às novas centralidades insurgentes, os impactos da Hidrelétrica de Belo Monte às escalas da vida. 2017. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2017.

PAES LOUREIRO, J.J. Cultura Amazônica: uma poética do imaginário. São Paulo: Escrituras, 2003.

PINZANI, Alessandro. Reconhecimento e solidariedade. Ethic@. Florianópolis, v. 8, n. 3, pp. 101-113, maio 2009.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, vol. 11, n. 2, pp. 263-274, julho/dezembro 2008.

RIBEIRO, Aline; CORRÊA, Hudson. O legado de violência deixado por Belo Monte. Revista Época. 2018. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2018.

RIVERO. Oswaldo de. O Mito do desenvolvimento: Os países inviáveis no século XXI. Petrópolis/ RJ: Editora Vozes, 2002.

ROSCOCHE, Luiz Fernando; VALLERIUS, Daniel Mallman. Os impactos da usina hidrelétrica de Belo Monte nos atrativos turísticos da região do Xingu (Amazônia – Pará- Brasil). Revista Eletrônica de Administração e Turismo, v. 5, n. 3, julho/dezembro 2014.

SACHS, J., Warner, A.M. Natural resource abundance and economic growth. Development discussion paper n. 517a. Harvard Institute for International Development (HIID), Cambridge, Massachusetts, 1995.

SANTOS, Milton. Pensando o espaço do homem. 5ª Ed. São Paulo: Edusp. 2004.

SARLET, Ingo Wolfgang; FENSTERSEIFER, Tiago. Direito ambiental: introdução, fundamentos e teoria geral. São Paulo: Saraiva, 2014.

SEVÁ, Oswaldo. A lógica da Volta Grande adulterada: consequências prováveis afetando moradores urbanos, rurais e ribeirinhos em Altamira e munícipios vizinhos; efeitos possíveis para os arquipélagos, pedrais, cachoeiras e na “ria” do baixo Xingu. In. SEVÁ, Oswaldo (org.). Tenotã-Mõ: Alertas sobre as consequências dos projetos hidrelétricos no Xingu – São Paulo: International Rivers Network, p. 192-198, 2005.

SEN, Amartya. A ideia de justiça. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SMITH, Brock. The resource curse exorcised: evidence from a panel of countries. Journal of Development Economics, v. 116, p. 57-73, set. 2015. APUD: SILVA. Luiz Gustavo Araújo da Cruz Casais e. A maldição dos recursos naturais: uma análise dos municípios do Estado da Bahia no período de 2002 a 2013. 2016. Dissertação (Mestrado em Economia) – Faculdade de Economia da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

TOURME-JOUANNET, Emmanuelle. What is a Fair International Society? International Law Between Development and Recognition. Hart Publishing. Oxford and Portland, Oregon, 2013.

VENTURA, Deisy; CETRA, Raísa Ortiz. O Brasil e o Sistema Interamericano de Direitos Humanos: De Maria da Penha à Belo Monte. In: SILVA, José Carlos Moreira; TORELLY, Marcelo (orgs). Justiça de Transição nas Américas: olhares interdisciplinares, fundamentos e padrões de efetivação. Belo Horizonte: Forum, 2013.

VIEIRA, Flávia do Amaral. Direitos Humanos e desenvolvimento na Amazônia: Belo Monte na Comissão Interamericana de Direitos Humanos. 2015. Dissertação (Mestrado em Direito e Relações Internacionais) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

WOLKMER, Maria de Fátima Schumacher; PAULITSCH, Nicole da Silva. O Estado de Direito Socioambiental e a governança ambiental: ponderações acerca da judicialização das políticas públicas ambientais e da atuação do poder judiciário. Revista NEJ - Eletrônica, v. 18, n. 2, pp. 256-268, maio/agosto, 2013.

ZAIDAN, Patrícia. Altamira: A cidade mais cruel e violenta com as mulheres. Revista Cláudia. Agosto de 2017, p. 02. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2018.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.0.1273

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Direito, Estado e Sociedade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 1516-6104