A nova ofensiva ao sistema previdenciário brasileiro: um paralelo com o modelo privatista chileno

André Alves Portella, Bruno Calil Nascimento de Souza

Resumo


O presente estudo visa realizar uma análise crítica da proposta de reforma previdenciária aprovada pelo congresso brasileiro. Inicia com o estudo do modelo de financiamento da Previdência Social chilena, em meio ao contexto histórico, político, social e econômico em que o mesmo foi estruturado, com vistas a toma-lo como referência às propostas existentes na atualidade brasileira. A abordagem tem enfoque no sistema de financiamento pautado na capitalização individual adotada naquele país, e nos resultados obtidos com a privatização, tanto no que se refere ao aspecto da sustentabilidade econômico-financeira, como no tocante aos impactos sobre garantias individuais e direitos sociais. Quanto ao sistema de financiamento brasileiro, procede-se à análise do modelo de repartição da previdência, dos princípios constitucionais estruturantes desse sistema e das reformas ocorridas ao longo do período democrático, para após comparar ambos os regimes a partir da realidade demográfica, sempre em perspectiva crítica. Por fim, a proposta de reforma previdenciária aprovada pelo governo brasileiro será analisada, em especial a sua premissa, qual seja, a do suposto déficit.  


Palavras-chave


Previdência social; reforma previdenciária; dignidade da pessoa humana; direitos sociais.

Referências


AMARO, Meiriane Nunes. Terceira reforma da previdência: até quando esperar? Centro de Estudos da Consultoria do Senado, Brasília, n. 84, fev. 2011. http://www12.senado.gov.br/publicacoes/estudos-legislativos/tipos-deestudos/textos-para-discussao/td-84-terceira-reforma-da-previdencia-ate-quando-esperar.

ANFIP. Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil/Dieese – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Previdência: reformar para excluir? Contribuição técnica ao debate sobre a reforma da previdência social brasileira. Brasília: ANFIP/DIEESE, 2017. https://www.dieese.org.br/evento/2017/reformarParaExcluirCompleto.pdf.

ASOCIACIÓN INTERNACIONAL DE ORGANISMOS DE SUPERVISIÓN DE FONDOS DE PENSIONES. La Capitalización Individual En Los Sistemas Previsionales De América Latina. AIOS, 2003. http://www.bps.gub.uy/innovaportal/file/4674/1/0968_capitalizacion_individual_al_aios_12-2003.pdf.

BERTIN, Hugo; PERROTTO, Andrea. Los nuevos regímenes de capitalización en América Latina: Argentina, Chile, Colombia, Costa Rica, México, Perú y Uruguay. Buenos Aires: SAFJP, 1997.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Emenda Constitucional Nº 20, de 15 de dezembro de 1998. Modifica o sistema de previdência social, estabelece normas de transição e dá outras providências. Portal da legislação, Brasília, 15 dez. 1998. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc20.htm.

______. Lei Nº 9.876, de 26 de novembro de 1999. Dispõe sobre a contribuição previdenciária do contribuinte individual, o cálculo do benefício, altera dispositivos das Leis nos 8.212 e 8.213, ambas de 24 de julho de 1991, e dá outras providências. Portal da legislação, Brasília, 26 nov. 1999. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9876.htm.

BORZUTZKY, Silvia. Chile: the politics of privatization. In: CRUZ-SACO, María Amparo; MESA-LAGO, Carmelo. (Eds.). Do options exist? The reform of pension and health care systems in Latin America. Pittsburgh Press, 1998.

BORZUTZKY, Silvia; HYDE, Mark. Chile´s private pension system at 35: impact and lessons. UK: Journal of International and Comparative Social Policy, Santiago. vol. 32, n. 1, pp. 57-73, 2016.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.

______. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Avaliação de resultados da Lei do Fator Previdenciário (1999-2004). Brasília: IPEA, fev. 2006a. http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/1814/1/TD_1161.pdf.

______. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Emenda Constitucional Nº 41, de 19 de dezembro de 2003. Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do § 3 do art. 142 da Constituição Federal e dispositivos da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de 1998, e dá outras providências. Portal da legislação, Brasília, 19 dez. 2003. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/emc41.htm#art1.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Taxa de fecundidade total. Séries históricas e estatísticas, Rio de Janeiro, 2006b. https://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?no=10&op=0&vcodigo=POP264&t=taxa-fecundidade-total.

______.______. Tábua completa de mortalidade para o Brasil –2016: breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. Rio de Janeiro, 2017. ftp://ftp.ibge.gov.br/Tabuas_Completas_de_Mortalidade/Tabuas_Completas_de_Mortalidade_2016/tabua_de_mortalidade_2016_analise.pdf.

______. ______. Taxa Bruta de Mortalidade por mil habitantes – Brasil – 2000 a 2015. Rio de Janeiro, 2016. https://brasilemsintese.ibge.gov.br/populacao/taxas-brutas-de-mortalidade.html.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Conversão de moedas. Brasília, jul. 2018. http://www4.bcb.gov.br/pec/conversao/conversao.asp.

BONNEFOY, Pascale. El sistema de pensiones de Chile, modelo de privatización para muchos, se desmorona. The New York Times, Nova York, 13 set. 2016. https://www.nytimes.com/es/2016/09/13/el-sistema-de-pensiones-de-chile-modelo-de-privatizacion-para-muchos-se-desmorona/.

BRASIL. Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda. Boletim Estatístico Da Previdência Social, Brasília, vol. 23, n. 3, 2018. http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2018/05/beps18.03.pdf.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da População por Sexo e Idade: Brasil 2000-2060. Unidades da Federação 2000-2030. Rio de Janeiro, 2013. https://ww2.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000014425608112013563329137649.pdf.

CASTIGLIONI. Rosana. Pensões e soldados: o papel do poder, dos atores políticos com poder de veto e das ideologias sob o regime militar no Chile no Uruguai. In: COELHO, Vera Schattan Pereira. (Org.). A Reforma da Previdência Social na América Latina. Rio de Janeiro: FGB, 2003.

CHILE. Superintendencia de Pensiones. Valores de Cuota y del Patrimonio Fondo Tipo A. Santiago, 2018. https://www.spensiones.cl/apps/valoresCuotaFondo/vcfAFP.php?tf=A.

______. Instituto Nacional de Estadísticas. Fecundidad en Chile: situación reciente. Santiago, 22 nov. 2006a. http://www.ine.cl/docs/default-source/demogr%C3%A1ficas-y-vitales/demograf%C3%ADa/estudios-demogr%C3%A1ficos/fecundidad.pdf?sfvrsn=6.

______. ______. Ganancias en años de vida y riesgo de muerte 1992-2002. Santiago, 30 out. 2006b. http://www.ine.cl/docs/default-source/demogr%C3%A1ficas-y-vitales/ganancia_de_vida.pdf?sfvrsn=4.

______. Departamento de Estadísticas e Información de Salud. Series y Gráficos de Mortalidad. Santiago, 2014. www.deis.cl/wp-content/uploads/2015/05/Serie-de-mortalidad-general-seg%C3%BAn-sexo-regi%C3%B3n-y-comuna.-Chile-1997-2012.xlsx.

______. Superintendencia de Pensiones. Número Y Monto Promedio, En U.F., De Las Pensiones Pagadas En El Mês Por Modalidad, Según Tipo De Pensión. Santiago, 2017.http://www.spensiones.cl/safpstats/stats/.si.php?id=inf_estadistica/afipen/mensual/2017/12/m00.html.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 7ª ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

CHILE. Biblioteca del Congresso Nacional de Chile. Evolución de la Estructura Etarea en Chile. Santiago, 19 maio 2015. https://www.bcn.cl/siit/actualidad-territorial-19-5-2015/estructura_poblacion_edad.

CANOTILHO, J. J. Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7ª ed. Coimbra: Almedina, 2003.

CONVERSOR de moedas. Exchange-Rates.org. https://pt.exchange-rates.org/.

DWORKIN, Ronald. Levando os Direitos a sério. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

______. Uma questão de princípio. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

EL MOSTRADOR. Paul Krugman en conferencia organizada por el Banco Central. El Mostrador. Noticia. Santiago, 15 jun. 2013. http://www.elmostrador.cl/noticias/pais/2013/06/15/nobel-de-economia-ya-habia-criticado-el-sistema-de-afp-en-2009-y-dice-que-ee-uu-no-sufrio-una-crisis-mas-fuerte-porque-no-adopto-el-modelo/.

FUNDACION SOL. Porcentaje de jubilados con pensiones menores a $154.304, por sexo. Fundación Sol, Santiago, 2016. Gráficos. http://www.fundacionsol.cl/graficos/porcentaje-de-jubilados-con-pensiones-menores-a-154-304-por-sexo/.

FUNDAÇÃO ANFIP DE ESTUDOS DA SEGURIDADE SOCIAL E TRIBUTÁRIO. A DRU e o falso déficit da Previdência Social. Brasília: ANFIP, 2016. http://fundacaoanfip.org.br/site/2016/06/a-dru-e-o-falso-deficit-da-previdencia-social/.

FEDERACIÓN INTERNACIONAL DE ADMINISTRADORAS DE FONDOS DE PENSIONES. Superintendencia de Pensiones de Chile publica nuevas estadísticas sobre pensiones según años cotizados. Santiago, 2017. https://www.fiapinternacional.org/superintendencia-de-pensiones-de-chile-publica-nuevas-estadisticas-sobre-pensiones-segun-anos-cotizados/.

FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. Desmistificando o Déficit da Previdência. Propostas para uma Previdência Social Pública, Justa e Solidária. https://www.anfip.org.br/doc/publicacoes/20161011101325_Desmistificando-o-Deficit-da-Previdencia_01-06-2016_2016set-FOLDER-FRENTE-PARLAMENTAR.pdf.

HUJO, Katja. Novos Paradigmas Na Previdência Social: Lições Do Chile E Da Argentina. Brasília: IPEA, 1999.

KAY. Stephen J. Privatizações inesperadas: política e reforma da previdência social no Cone Sul. In: COELHO, Vera Schattan Pereira. (Org.). A Reforma da Previdência Social na América Latina. Rio de Janeiro: FGB, 2003.

LEY nº 20.935 de 30 de junho de 2016. Santiago, 2016. https://www.leychile.cl/Navegar?idNorma=1091980&idParte=0.

MESA, Alberto Arenas de. Historia De La Reforma Previsional Chilena: Una Experiencia Exitosa de Política Pública en Democracia. Santiago: Oficina Internacional del Trabajo, 2010.

MESA-LAGO, Carmelo. As reformas de previdência na América Latina e seus impactos nos princípios de seguridade social. Brasília: Ministério da Previdência Social, 2007.

MESA-LAGO, Carmelo; MULLER, Katharina. Política e reforma da previdência na América Latina. In: COELHO, Vera Schattan Pereira. (Org.). A Reforma da Previdência Social na América Latina. Rio de Janeiro: FGB, 2003.

MARQUES, Rosa Maria. Da privatização à (re)estatização do sistema previdenciário argentino. Ensaios FEE, Porto Alegre, vol. 35, n. 2, pp. 417-440, dez. 2014.

MURRO OBERLIN, Ernesto Ramón. Seguridad Social em América Latina y Conosur: mitos, desafíos, estratégias y propuestas desde una visión sindica. Friedrich Ebert Stiftung: Montevideo, 2014.

MARTINEZ, Wladimir Novaes. Princípios de Direito Previdenciário. São Paulo: LTr, 1989.

______. Primeiras lições de previdência complementar. São Paulo: LTr, 1996.

MARQUES, Rosa Maria; MENDES, Áquilas. O Governo Lula e a contra-reforma Previdenciária. São Paulo: São Paulo em Perspectiva, 2004.

MAGIONI, Mirella Januário. O Banco Mundial as reformas da Previdência Social na América Latina. Argumentum, Vitória, vol. 6, n. 2, pp. 103-118, jul./dez. 2014.

MARQUES, Rosa Maria; NAKATANI, Paulo. Crise, Capital Fictício e afluxo de capitais estrangeiros no brasil. Caderno CRH, Salvador, vol. 26, n. 67, pp. 65-78, jan./abr. 2013.

MESA-LAGO, Carmelo. Social Security in Latin America: Pressure Groups, Stratification, and Inequality. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 1978.

__________. Social Security and Prospects for Equity in Latin American. Washington: Wolrd Bank Discussion Papers, 1992.

MELO, Marcus André. Escolha Institucional e a Difusão dos Paradigmas de Política: O Brasil e a Segunda Onda de Reformas Previdenciárias. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 47, n. 1, pp. 169-206, 2004.

OCDE. Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico. Um panorama dos sistemas previdenciários na América Latina e Caribe. Brasília: BID, 2015.

PORTELLA, André; FRACALOSSI, Anna Carla Marques. Análise-Crítica do Financiamento da Previdência Social e Alternativas às Propostas Oficiais. In: OLIVEIRA, Eduardo Chagas; CARNEIRO, Ivana Libertadoira Borges. (Org.). Direito, Hermenêutica e Conhecimento Jurídico. 1ª ed. Salvador: Editora da UEFS, 2018. p. 150-186. v. 1.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da Pessoa Humana e Direitos Fundamentais na Constituição Federal de 1988. 4ª ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.

TORRES. Ricardo Lobo. Existe um princípio estrutural na sociedade? In: GRECO, Marco Aurélio; GODOI, Marciano Seabra. (Org.). Solidariedade Social e Tributação. São Paulo: Dialética, 2005.

UTHOFF, Andras. Reformas al sistema de pensiones chileno. Santiago: CEPAL, 2011.

______. Reformas do Sistema de Pensão na América Latina. Ministério da Previdência e Assistência Social. Brasília: MPAS – SPS, 2002. Coleção Previdência Social. v. 12.

VITTAS, Dimitri; IGLESIAS, Augusto. The Rationale and Performance of Personal Pension Plans in Chile. Washington: World Bank, 1992.

VIANNA, Maria Lúcia T. Werneck. A Previdência Social (e não só ela) em questão: notas aditivas à reflexão de Rosa Marques, Àquilas Mendes e Camila Ugino. Argumentum: Vitória, vol. 2, n. 1, pp. 31-40, jan./jun. 2010.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.0.1192

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Direito, Estado e Sociedade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 1516-6104