Fora dos holofotes: estudo empírico sobre o controle da imparcialidade dos ministros do STF

Rubens Eduardo Glezer, Lívia Gil Guimarães, Luíza Pavan Ferraro, Ana Laura Pereira Barbosa

Resumo


A efetividade dos mecanismos de controle da imparcialidade nos tribunais tem papel significativo na construção de sua reputação e autoridade. No Supremo Tribunal Federal (STF), as arguições de impedimento e suspeição são instrumentos centrais para este controle. O objetivo deste artigo consistiu na avaliação da efetividade desses instrumentos, aprofundando o diagnóstico de que nenhuma arguição de impedimento ou suspeição foi levada ao julgamento pelo Plenário. A partir de uma análise empírica quantitativa e qualitativa do rito e conteúdo das decisões das arguições foi possível concluir que a postura do STF frente a esses mecanismos é ambígua. De um lado, tem uma jurisprudência consistente e razoável para negar seguimento às arguições de impedimento e suspeição. De outro, os procedimentos são conduzidos com tons de deferência, com violações ao rito e às etapas processuais, sem transparência sobre os fatos e argumentações jurídicas para afastamento ou manutenção do ministro no caso. Discutiu-se que os resultados do controle da imparcialidade de ministro podem até ser atingidos, mas sem que haja o ganho reputacional correspondente à sua atuação, de forma a abrir espaço para a discussão da legitimidade do próprio tribunal.


Palavras-chave


Imparcialidade; STF; Impedimento; Suspeição; Reputação

Texto completo:

PDF

Referências


ÁVILA, Ana Paula Oliveira. O postulado da imparcialidade e a independência do magistrado no Civil Law. Revista da Procuradoria Geral do Município de Porto Alegre. Porto Alegre, n. 24, 2010.

BALBI, Guilherme. Controlando o Moderador: impeachment de ministros do STF à luz do controle disciplinar do CNJ. Monografia entregue à Escola de Formação da Sociedade Brasileira de Direito Público (SBDP), 2017. Disponível em: http://www.sbdp.org.br/wp/wp-content/uploads/2018/04/Guilherme-Balbi-D.-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Estado-e-Federalismo.pdf. Acessado em 25 de outubro de 2018.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Entenda as diferenças entre impedimento e suspeição, 16 fev. 2009. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=103393. Acesso em: 23 nov. 2011.

CARNEIRO, Gevalmir Facirolo. Impedimento e suspeição no CPC/15: a amplitude do artigo 148, III do CPC/15 para alcançar assessores e estagiários à luz do processo civil constitucional (Trabalho de Conclusão de Curso). Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Direito, 2016.

CARVALHO, Alexandre Douglas Zaidan de. Imagens da imparcialidade entre o discurso constitucional e a prática judicial (Tese – Doutorado em Direito). Brasília: Universidade de Brasília, 2016.

CRISTINO, Isabella Caroline. É possível fiscalizar a imparcialidade do STF? uma pesquisa sobre o grau de transparência das declarações de impedimento e suspeição dos ministros. São Paulo, Monografia de Aperfeiçoamento/Especialização em Escola de Formação – SBDP. 2018.

CUNHA, Luciana Gross et al. Índice de Confiança na Justiça. Relatório ICJ Brasil - 1 semestre 2017. Disponível em: . Acesso em: 30 outubro de 2018.

DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de Direito Processual Civil, v. 1, 13.ed. São Paulo: Malheiros, 2013.

FRANCO, Enio Eduardo Ferreira. Suspeição e Impedimento nos processos objetivos de Controle de Constitucionalidade Concentrado. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à FGV DIREITO RIO como requisito parcial para obtenção do grau de bacharel. Rio de Janeiro, 2011.

FRIEDMAN, Barry. The will of the people: how public opinion has influenced the Supreme Court and shaped the meaning of the Constitution. 1ª ed. Nova Iorque: Farrar, Straus and Giroux, 2009.

GAJARDONI, Fernando da Fonseca. Recentes notas sobre o impedimento no direito processual civil brasileiro. Revista de processo, Brasília, v. 34, n. 174, pp. 82-112, ago. 2009.

LINDOSO, Alexandre Simões. Limites da incidência das regras atinentes ao impedimento e à suspeição do magistrado no julgamento de recursos extraordinários com repercussão geral reconhecida. Revista LTr: legislação do trabalho, v. 74, n. 6, pp. 743-746, jun. 2010.

LUPETTI BAPTISTA, Bárbara Gomes. A minha verdade é a minha justiça? Dilemas e paradoxos sobre o princípio da imparcialidade judicial. Revista USP Cadernos de Campo. São Paulo, pp. 301-314, 1991. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v22i22p301-314

MACCORMICK, Neil. Retórica e o Estado de Direito. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil, 2008.

MATZENBACHER, Guilherme Petry. Da imparcialidade à Luz da Jurisprudência do Tribunal Europeu de Direitos Humanos. Trabalho de conclusão de curso apresentado à Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2011.

MENDES, Conrado. Constitutional courts and deliberative democracy. Reino Unido: Oxford University Press, 2013. DOI: https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780199670451.001.0001.

PAMPLONA FILHO, Rodolfo; BARBOSA, Charles. Reflexões filosóficas sobre a neutralidade e imparcialidade no ato de julgar. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, Brasília, vol. 77, no 3, jul/set 2011.

POZZEBON, Fabrício Dreyer de Ávila. A imparcialidade do juiz criminal enquanto ausência de causas de impedimento ou de suspeição. Direito & Justiça, São Paulo, v. 39, n. 1, pp. 116-120, jan./jun. 2013.

REICHELT, Luis Alberto. O direito fundamental das partes à imparcialidade do juiz no direito processual civil. Revista de processo, Brasília, v. 39, n. 227, p. 105-122, jan. 2014.

SILVA, Virgílio Afonso da. Deciding without deliberating. International Journal of Constitutional Law, Nova Iorque, v. 11, n. 3, pp. 557–584, 2013. DOI: https://doi.org/10.1093/icon/mot019.

SCHAVI, Mauro. Aspectos polêmicos das exceções de impedimento, suspeição e incompetência no processo do trabalho à luz da CLT, do TST e do CPC. Revista LTr: legislação do trabalho, v. 71, n. 11, pp. 1303-1307, nov. 2007.

TAVARES, Inês Ferreira Dias. Inclusão de impedidos e suspeitos na base de cálculo do quórum de votação em procedimento administrativo disciplinar: análise crítica da jurisprudência do STF e do CNJ. Revista de Política Judiciária, Gestão e Administração da Justiça, v.2, n.1, pp. 132-151, Brasília, Jan/Jun. 2016.

TYLER, Tom R. Why people obey the law. Princeton: Princeton University Press, 1ª ed, 2006.

TYLER, Tom R.; MITCHELL, Gregory. Legitimacy and the empowerment of discretionary legal authority: The United States Supreme Court and abortion rights. Duke Law Journal, Durham, v. 43, 1993. DOI: https://doi.org/10.2307/1372774.

VIEIRA, Oscar Vilhena. Supremocracia. Revista Direito GV, São Paulo, v. 4, n. 2. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/s1808-24322008000200005.

VOJVODIC, Adriana et. al. Escrevendo um romance, primeiro capítulo: precedentes e processo decisório no STF. Revista Direito GV, São Paulo, v. 5, n. 1, pp. 21-44, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/s1808-24322009000100002.




DOI: https://doi.org/10.17808/des.0.1178

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

All work published in Revista Direito, Estado e Sociedade are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.


ISSN-L: 1516-6104.

Classification in WebQualis: A1 - DIREITO.

Access our Facebook page by clicking here.

 


Indexadores:

 
Crossref logo