O DESASTRE AMBIENTAL DE MARIANA: PROPAGAÇÃO DAS ONDAS DA ECO-FILOSOFIA

Bleine Queiroz Caúla, Susana Borràs Pentinat, Júlia Maia de Meneses Coutinho

Resumo


O labor cobre um estudo em caráter de introito acerca da análise filosófico-política das contribuições de Jean-Jacques Rousseau, principalmente no que diz respeito aos ideais pregados pelo bom selvagem em sua teoria jusnaturalista. De modo paralelo, adentra-se na tragédia ambiental de Mariana, com o objetivo de ilustrar o discurso da origem da desigualdade entre os homens e a maneira como se deu o crescimento desenfreado do poder pelo poder, sem pensar nos desafios frente à preservação (prevenção e precaução) do meio ambiente. A metodologia utilizada para tal fim destinou-se a garantir a interdisciplinaridade de Filosofia Política e Direito ambiental, recorreu à pesquisa bibliográfica em livros, artigos, legislação para solucionar o problema sob escólio, qual seja: se há condição de equilíbrio ambiental diante da degeneração do bom selvagem e da ampliação do discurso de desigualdade em virtude do poder econômico sem escrúpulos. Concluiu-se que a responsabilização civil impondo a reparação dos danos não será suficiente, pois resulta da negligência aos princípios ambientais da prevenção e precaução. A filosofia deixou o legado de alertar e prevenir a indispensável atenção para o papel da natureza na vida de todos os seres vivos. As premissas rousseaunianas evocadas revelam que o meio ambiente entra em colisão com os exageros de uma sociedade obstinada pelos lucros empresariais em desfavor de interesses fundamentais

Palavras-chave


Ecofilosofia; Desastre Ambiental de Mariana; Mineração; Responsabilidade Civil.

Referências


ALENCAR, José Martiniano de. Iracema. Barueri, SP: Ciranda Cultural, 2010. Coleção Literatura Brasileira.

BARBIERI, José Carlos. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva, 2006.

BARROS, Ana Meire Vasconcelos; CAÚLA, Bleine Queiroz; CARMO, Valter Moura do. Desequilíbrios de poder entre os mediandos e a necessária tutela do Estado: análise da mediação ambiental à luz do CPC/2015. Revista Veredas do Direito, v. 13, n. 27, p. 267-289, set./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2017.

BELCHIOR, Germana Parente Neiva; SALAZAR PRIMO, Diego de Alencar Salazar. A responsabilidade civil por dano ambiental e o caso Samarco: desafios à luz do paradigma da sociedade de risco e da complexidade ambiental. Revista Jurídica da FA7, Fortaleza, v. 13, n. 1, p. 10-30, jan./jun. 2016.

BOBBIO, Norberto. Igualdade e liberdade. 3. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1997.

BOBBIO, Norberto. Teoria Geral da Política – a filosofia política e a lição dos clássicos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 9. ed. São Paulo: Malheiros, 2000.

BONAVIDES, Paulo. Teoria do Estado. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasil, DF, Senado, 1988.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em . Acesso em: 10 jan.2017.

BRASIL. Lei no 7.347, de 24 de julho de 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico (VETADO) e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Disponível em . Acesso em: 10 jan.2017.

BRASIL. Lei n° 12.334, de 20 de setembro de 2010. Estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água para quaisquer usos, à disposição final ou temporária de rejeitos e à acumulação de resíduos industriais, cria o Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de Barragens e altera a redação do art. 35 da Lei no 9.433, de 8 de janeiro de 1997, e do art. 4o da Lei no 9.984, de 17 de julho de 2000. Disponível em . Acesso em 10 jan. 2017.

BRASIL. Lei 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Disponível em: Acesso em: 13 jan.2017.

BRASIL. Decreto-lei nº 227, de 28 de fevereiro de 1967. Dá nova redação ao Decreto-lei nº 1.985, de 29 de janeiro de 1940. (Código de Minas). Disponível em . Acesso em 10 jan. 2017.

BRASIL. Decreto n° 24.642, de 10 de julho de 1934. Decreta o Codigo de Minas. Disponível em . Acesso em 10 jan. 2017.

BRASIL. Lei n° 8.876, de 2 de maio de 1994. Autoriza o Poder Executivo a instituir como Autarquia o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), e dá outras providências. Disponível em . Acesso em: 10 jan. 2017.

BRASIL. Proposta de Emenda Constitucional n° 65, de 2012. Acrescenta o §7º ao art. 225 da Constituição, para assegurar a continuidade de obra pública após a concessão da licença ambiental. Disponível em . Acesso em 10 jan. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. RE nos EDcl no REsp. nº 1.374.284/MG, Min. Laurita Vaz, julgado em 19.11.2014. Disponível em: < https://ww2.stj.jus.br/processo/pesquisa/>. Acesso em 10 jan. 2017.

BRASIL. Projeto de Lei n° 5.807/2013. Dispõe sobre a atividade de mineração, cria o Conselho Nacional de Política Mineral e a Agência Nacional de Mineração - ANM, e dá outras providências. Disponível em . Acesso em: 10 jan. 2017.

BULOS, Uadi Lammêgo. Constituição Federal anotada. 10. ed. São Paulo: Saraiva. 2012.

FORTES, Luiz Roberto Salinas. Rousseau: o bom selvagem. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2015.

CAÚLA, Bleine Queiroz; MARTINS, Dayse Braga; TÔRRES, Lorena Grangeiro de Lucena. Mineração, desenvolvimento econômico e sustentabilidade ambiental: a tragédia de Mariana como parâmetro da incerteza. In: MIRANDA, Jorge; GOMES, Carla Amado Gomes (Coord.); CAÚLA, Bleine Queiroz et al. (Org.). Diálogo ambiental, constitucional e internacional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016. v. 6. p. 71-98.

CAÚLA, Bleine Queiroz. A lacuna entre o direito e a gestão do ambiente: os 20 anos de melodia das agendas 21 locais, 2012.

CAÚLA, Bleine Queiroz; RODRIGUES, Francisco Lisboa. Responsabilidade civil extracontratual da administração pública por danos ambientais: um olhar à luz do direito à informação e do direito de participação. In: SOUSA, Marcelo Rebelo de (Coord.); CAÚLA, Bleine Queiroz (Org.) et. al. O direito administrativo na perspectiva luso-brasileira. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014, p. 3-67.

CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE (CONAMA). O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 48 do Decreto nº 88.351, de 1º de junho de 1983, para efetivo exercício das responsabilidades que lhe são atribuídas pelo artigo 18 do mesmo decreto, e Considerando a necessidade de se estabelecerem as definições, as responsabilidades, os critérios básicos e as diretrizes gerais para uso e implementação da Avaliação de Impacto Ambiental como um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 01, de 23 de janeiro de 1986. DOU 17/2/86. Disponível em: . Acesso em: 10 ago.2017.

CONSULTOR JURÍDICO. Rompimento de barragens. Disponível em: < http://www.conjur.com.br/2015-nov-16/samarco-assina-acordos-ministerio-publico-reparar-danos>. Acesso em: 10 jan. 2017.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL (DNPM). Governo lança Plano Nacional de Mineração 2030. Disponível em: . Acesso em: 10 jan.2017.

GOMES, Carla Amado. Textos dispersos de direito do ambiente. Lisboa: Associação dos Alunos da Faculdade de Direito de Lisboa, 2008, v. I.

GOYARD-FABRE, Simone. Os princípios filosóficos do Direito político moderno. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HOBBES, Thomas. Leviathan. London: Penguin Classics, 1985.

JORNAL Expresso de Minas. Sem estrutura: DNPM não fiscaliza 95 barragens em Minas. Disponível em . Acesso em: 10 jan.2017.

JONAS, Hans. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro, Contraponto, 2006 [1979]. 353p.

KELLY, Paul; DACOMBE, Rod; FARNDON, John et al. O livro da política. São Paulo: Globo, 2013.

LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo civil: ensaio sobre a origem, os limites os fins verdadeiros do governo civl. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro. 18. ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

MACHADO, Igor Suzano. Comunidade de princípios e princípio da responsabilidade: o juiz Hércules confuso diante de uma natureza ameaçada. Revista Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 13, n. 27, p. 243-265, set./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2017.

NADER, Paulo. Filosofia do Direito. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

O Globo. MP de Minas Gerais vê falhas em licenciamento da barragem de Fundão. Disponível em Acesso em: 10 jan.2017.

OTERO, Paulo. Instituições políticas e constitucionais. Coimbra: Almedina, 2007. v.1.

PENTINAT, Susana Borrás. Análisis de la Contribución del Paradigma de Desarrollo Sostenible a la Justicia Ambiental, Económica y Social. In: MARTINS, Dayse Braga (Org.) et. al. Diálogo ambiental, constitucional e internacional. Fortaleza: Premius, 2014, p. 29-81. v. 2.

REALE, Miguel. Filosofia do Direito. São Paulo: Saraiva, 1962.

ROUSSEAU, Jean Jacques. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ROUSSEAU, Jean Jacques. O contrato social: princípios do Direito Político. Tradução de Edson Bini. Bauru, SP: Edipro, 2013.

SOUZA, Valmir de; KONRAD, Odorico; GONÇALVES JÚNIOR, Affonso Celso. Contaminação por chumbo, riscos, limites legais e alternativas de remediação. Revista Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, p. 249-276, jan./abr. 2016. Disponível em: < http://www.domhelder.edu.br/revista/index.php/veredas/article/view/643>. Acesso em: 17 abr. 2017.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.55.913

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104