Escalas de construção da Justiça: Nancy Fraser à luz de Rainer Forst

José Rodrigo Rodriguez

Resumo


Este artigo apresenta o ponto de vista da Teoria Crítica sobre a Teoria da Justiça utilizando-se do trabalho de Rainer Forst e de Nancy Fraser. O texto distingue as abordagens alocativas das abordagens construtivas da justiça para situar Teoria Crítica no segundo grupo. A seguir, mostra a compatibilidade desta classificação, formulada por Rainer Forst, com as reflexões de Nancy Fraser sobre as escalas da justiça. A seguir, o artigo responde a uma objeção oriunda das teorias alocativas da justiça, qual seja, aquela relativa ao tratamento dos portadores de necessidades mentais especiais, em uma interlocução com a obra de Martha Nussbaum.

 


Palavras-chave


Justiça, Teoria Crítica, Justificação, Globalização, Deficiência

Referências


ANDRIOLO, Arley. “A “Psicologia da Arte” no Olhar de Osório Cesar: Leituras e Escritos”, Psicologia, Ciência e Profissão, n. 23, vol. 4, 74-81, 2003.

BENHABIB, Seyla. Another Cosmopolitanism. Oxford: Oxford University Press, 2006.

FORST, Rainer. Justice, Democracy and the Right of Justification. London: Bloonsbury, 2014.

_____. The Right to Justification. Elements of a Construtivist Theory of Justice. Nova Iorque: Columbia University Press, 2014.

FRASER, Nancy. Scales of Justice: Reimagining Political Space in a Globalizing World. Nova Iorque: Columbia University Press, 2009.

NUSSBAUM, Martha. Fronteiras da Justiça: deficiência, nacionalidade, pertencimento. São Paulo: Martins Fontes: 2013.

SILVEIRA, Nise. As Imagens do Inconsciente. São Paulo: Ática, 1992.

YOUNG, Iris Marion. “O ideal da imparcialidade e o público cívico”, Revista Brasileira de Ciência Política, nº9. Brasília, setembro - dezembro de 2012, pp. 169-203.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.57.767

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104