Classificação social, modernidade/colonialidade e relações de gênero: uma abordagem decolonial do rompimento do tecido comunitário dos Povos Tupinambás

Victória Taglialegna Salles, Rainer Bomfim, Margareth Diniz

Resumo


Resumo: A partir das exposições de narrativas descritivas da organização social dos Povos Tupinambá no Brasil e das interpretações antropológicas, o presente trabalho realiza uma abordagem crítica da apresentação das relações de gênero no mundo-aldeia, identificando características da colonialidade de poder, saber e de gênero que romperam o tecido comunitário indígena e ocultaram a sua autonomia. Aborda a criação das categorias gênero e raça como exercício legitimado de poder, compreendendo que a ótica da modernidade perpetua nos dias atuais por meio de uma matriz republicana burguesa. Identifica a reprodução do discurso moderno pelo Estado Democrático Direito, apesar do reconhecimento dos povos indígenas como sujeitos de direito, propondo uma nova interpretação do problema apontado. Apresenta-se a devolução da autonomia a partir do pluralismo, buscando o reconhecimento da diversidade enquanto individualidade e coletividade e, como ruptura, tensiona a luta pela existência de um Estado restituidor da jurisdição própria e do foro interno comunitário, que garanta a deliberação dos povos tradicionais e possibilite que o próprio povo construa seu projeto histórico. A operacionalização da pesquisa dá-se pelo método jurídicosociológico, bem como pela análise de dados quantitativos secundários e de revisão bibliográfica para o embasamento teórico decolonial.

Palavras-chave: direito constitucional, decolonialidade, colonialidade, modernidade, povos tradicionais indígenas.

Abstract: From an exhibitions of descriptive narratives of the Tupinambá People social organization in Brazil and from anthropological interpretations, this scientific work takes a critical approach to the presentation of gender relations in the word-village, identifying characteristics of the power coloniality, knowledge and gender that broke the indigenous community web and hid their autonomy. Brings up the creation of gender and race categories as legitimate exercise of power, understanding that the modernity optics remains nowadays through one bourgeois republic matrix. Identifies a reproduction of a modern discourse by the Democratic State, despite the recognition of the indigenous as subjects of the law, proposing one new interpretation of the present problem. Presents the return of autonomy based on pluralism, seeking the recognition of diversity as individuality and collectivity and, as a rupture, intends to fight for the existence of a State that restores its own jurisdiction and the internal community forum, which guarantees the deliberation of the peoples and allow the people themselves to build their historic project. The operationalization of the search is made with a sociologicaljuridical method, as well as by the analysis of secondary quantitative data and the bibliographic review for the theoretical basis decolonial.

Keywords: constitutional right, decoloniality, coloniality, modernity, traditional indigenous people.


Palavras-chave


Direito Constitucional. Decolonialidade. Colonialidade. Modernidade. Povos Tradicionais Indígenas.

Referências


ALBUQUERQUE, Antonio Armando Ulian do Lago.Multiculturalismo e o direito à autodeterminação dos povos indígenas.2003. 333 f. Dissertação (Mestrado em Direito) -Curso de Programa de Pós-graduação em Direito, Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, mai./ago., pp. 89-117, 2013.

BRASIL. Decreto nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais.Brasília: Presidência da República, 07 fev. 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm. Acesso em: 15 abr. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Presidência da República, 05 out. 1988.

COSTA, Claudia de Lima. Feminismo e tradução cultural: sobre a colonialidade do gênero e a descolonizacão do saber. P: Portuguese Cultural Studies, [S.l], v. 4, n. 1, pp. 41-65, 2012.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidade e eurocentrismo. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

FERNANDES, João Azevedo.De Cunhã a Mameluca:a mulher tupinambá e o nascimento do Brasil. 2. ed. João Pessoa: Editora da Ufpb, 2016 [E-book].

GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa; DIAS, Maria Tereza Fonseca Dias. (Re)Pensando a Pesquisa Jurídica: Teoria e Prática. Belo Horizonte: Del Rey Editora, 2013.

LAGROU, Elsje; BELAUNDE, Luisa Euvira. Do mito grego ao mito ameríndio: uma entrevista sobre Lévi-Strauss com Eduardo Viveiros de Castro.Sociologia & Antropologia,Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, pp. 9-33, nov. 2011.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo decolonial. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, pp. 935-952, set./dez. 2014.

LUGONES, Maria. Heterosexualismand the Colonial / Modern Gender System. Hypatia,Indiana University Press, v. 22, n. 1, pp. 186-209, outono 2007.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Anuário Antropológico, v. 28, n. 1, pp. 251-290, 2004.

MAGALHÃES, José Luiz Quadros de. O novo constitucionalismo latino-americano 2: rupturas -diversidade.Revista Eletrônica de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, n. 28, pp. 10-19, jan./abr. 2016a.

MAGALHÃES, José Luiz Quadros de. Modernidade e presentismo: a alternativa transcultural. Revista Vox,Reduto/MG, n. 3, pp. 01-11, jan./jul. 2016b.

MALDONALDO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMES, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global.Bogotá. Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos e Pontifícia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, [online], v. 32, n. 94, pp. 1-18, jun. 2017.

MIGNOLO, Walter D.Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MURADAS, Daniela; MÁXIMO PEREIRA, Flávia Souza. A decolonialidade dosaber e direito do trabalho brasileiro: sujeições interseccionais contemporâneas. Revista Direito e Praxis, Rio de Janeiro, v.9, n.4, pp. 2117-2142, 2018.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade de Poder, Eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade de Poder e Classificação Social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula.Epistemologias do Sul.Coimbra: Editora Edições Almedina, 2009, p. 73-119.

RAMINELLI, Ronald. Eva Tupinambá. In: PRIORE, Mary del; PINSK, Carla Bessanezi.História das Mulheres no Brasil.10. ed. São Paulo: Editora Contexto, 1997, p. 11-45.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, [online] n. 63, pp. 237-280, 2020.

SEGATO, Rita L. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial.e-cadernos CES, [online], n. 18, pp. 106-131, 2012.

VIEGAS, Susana de Matos.Tupinambá de Olivença.[S.l]:Povos indígenas no Brasil,2018. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2019.

WOLKMER, Antônio Carlos. Pluralismo e crítica do constitucionalismo na América Latina. In:Anais do IX Simpósio Nacional de Direito Constitucional. Curitiba: Academia Brasileira de Direito Constitucional, 2010,p. 143-155.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.0.1404

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104