Simpatia e espectador imparcial: conceitos fundamentais para discussões éticas e políticas

Sandro Fröhlich

Resumo


Resumo: o artigo visa analisar e discutir alguns elementos a partir do pensador Adam Smith: a simpatia e a figura do ‘espectador imparcial’. Igualmente, considerase importante que se façam reposições conceituais a fim de ‘corrigir’ visões e interpretações distorcidas deste filósofo iluminista. Para tal, é realizada uma abordagem a partir de concepções do filósofo e economista indiano Amartya Sen. Com esta ‘releitura’ interpretativa e conceitual é possível apresentar algumas críticas à ideia de imparcialidade apresentada por John Rawls através do dispositivo do ‘véu de ignorância’. Mais do que isso, pretende-se mostrar que a concepção do ‘espectador imparcial’ é capaz de apresentar ampliações e possíveis ganhos na discussão dos aspectos de justiça.

Palavras-chave: Adam Smith, Amartya Sem,simpatia, espectador imparcial, justiça.

Abstract: The paper aims to analyze and discuss some elements from the thinker Adam Smith: the sympathy and the figure of the 'impartial spectator'. Equally, it is considered important to make conceptual repositions in order to 'correct' distorted visions and interpretations of this Enlightenment philosopher. For this end, an approach is taken from the conceptions of the Indian philosopher and economist Amartya Sen. With this interpretative and conceptual 're-reading' it is possible to present some criticisms of the idea of impartiality presented by John Rawls through the device of the 'veil of ignorance'. More than that, it is intended to show that the conception of the 'impartial spectator' is capable of presenting enlargements and possible gains in the discussion of the aspects of justice.

Keywords: Adam Smith, Amartya Sen, sympathy, impartial spectator, justice.


Palavras-chave


Adam Smith; Amartya Sen; Simpatia; Espectador imparcial; Justiça.

Referências


ALEÁN PICO, Augusto. La noción de justicia en Adam Smith y Amartya Sen. Colombia. 2012. 75 f. Tesis (Doctorado en Ciencias Económicas) Universidad Nacional de Colombia Facultad de Ciencias Económicas. Bogotá, Colombia, 2012.

ALEÁN PICO, Augusto. Sentimiento moral y razón: la noción de justicia en Adam Smith Y Amartya Sen. Cuadernos de Economía, v. 33, n. 63, jul./dec. 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2017.

BRAUN, Carlos Rodrígues. Estudio preliminar. In: SMITH, Adam. La teoría de los sentimientos morales. Madrid: Alianza, 2013.

BROADIE, Alexander. Sympathy and the Impartial Spectator. In: HAAKONSSEN, Knud. The Cambridge Companion to Adam Smith. Cambridge, MA: Cambridge University Press, 2006.

GANEM, Angela. Economia e filosofia: tensão e solução na obra de Adam Smith. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 22, n. 4, p. 104-118, out./dez. 2002. Disponível em: < http://www.rep.org.br/PDF/88-7.PDF >. Acesso em: 21 dez. 2017.

GANEM, Angela. O mercado como teoria da sociedade: a radicalidade filosófica de Adam Smith. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA POLÍTICA. Anais. Porto Alegre: FCE/UFRGS, 1999. 1 CD ROM.

GARRIDO, Pablo S. Raíces Intelectuales de Amartya Sen: Aristóteles, Adam Smith y Karl Marx. Madrid: Centro de Estúdios Políticos y Constitucionales, 2008.

GIANNETTI, Eduardo. O mercado das crenças: filosofia econômica e mudança social. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

GOLD, Natalie. How should we reconcile self-regarding and pro-social motivations? A renaissance of “Das Adam Smith Problem”. Social Philosophy and Policy. Oxford, 2019. Disponível em: https://ora.ox.ac.uk/objects/uuid:64e43671-2676-4bce-bd93-730368ed19df/. Acesso em: 24 set. 2020.

RAPHAEL, D. D. The impartial spectator: Adam Smith’s Moral Philosophy. Oxford: Oxford University Press, 2007.

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1981.

SEN, Amartya. Imparcialidade aberta e fechada. Alceu, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 5-30, jan./jul. 2003. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2017.

SEN, Amartya. A ideia de justiça. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SMITH, Adam. Teoria dos sentimentos morais, ou, Ensaio para uma análise dos princípios pelos quais os homens naturalmente julgam a conduta e o caráter, primeiro de seus próximos, depois de si mesmos, acrescida de uma dissertação sobre a origem das linguas. Tradução: Lya Luft. São Paulo: Martins Fontes, 1999.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.0.1231

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104