Jacob Burckhardt como teórico do Estado: o esmaecimento de uma obra de arte

Philippe Oliveira De Almeida, Raul Salvador Blasi Veyl

Resumo


O presente trabalho pretende analisar o pensamento político de Jacob Burckhardt, identificando as nuances de suas formulações acerca do Estado. Por meio da revisão de sua bibliografia clássica, bem como de seus comentadores, observaremos o emergir de uma peculiar posição acerca da formação dos Estados modernos pós-revolucionários, a qual, no contra fluxo de seus contemporâneos, mostra uma desconfiança característica com relação ao militarismo e a centralização do poder. Ademais, a sua formação, que mescla história da arte com filosofia política, possibilita a elaboração de uma doutrina estadista que comunga elementos culturais, históricos e políticos. De obra de Arte no paradigma renascentista à artefato tecnológico na aurora de seu tempo, Burckhardt – um homem de contrastes – vai encampar uma das mais interessantes, apesar de pouco exploradas, Teorias do Estado da modernidade oitocentista.


Palavras-chave


Jacob Burckhardt; Teoria do Estado; Modernidade; Filosofia Política

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Néri de Barros (Org.). A Idade Média entre os séculos XIX e XX: estudos de historiografia. Campinas: UNICAMP, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2008.

ALMEIDA, Philippe Oliveira de. O neoliberalismo e a crise dos Critical Legal Studies. Revista Direito e Práxis, Ahead of print, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/27420/22852>, acessado em 27 de fevereiro de 2018.

ARENDT, Hannah. Da Revolução. Tradução de Fernando Dídimo Vieira. São Paulo: Edito Ática e Editora UNB, 1990.

ALMEIDA, Philippe Oliveira de; OLIVEIRA, Ana Guerra Ribeiro de. O jovem Hegel leitor de Maquiavel. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 289 a 315, 2016.

ALMEIDA, Philippe Oliveira de. A digestão e a reprodução do centauro: o a priori histórico em Foucault. Revista Limiar, v. 2, p. 61-86, 2016.

AZAMBUJA, Darcy. Teoria Geral do Estado. Porto Alegre; Rio de Janeiro: Editora Globo, 1941.

BARACHO, José Alfredo de Oliveira. Teoria Geral da Soberania. Em HORTA, José Luiz Borges (Org.). Direito e política: ensaios selecionados. Florianópolis: Conpedi, 2015.

BLUNTSCHLI, Johann Kaspar. Téorie Génerale de l’État. Ed. Alcan, Paris. 1910.

BURCKHARDT, Jacob. A cultura do Renascimento na Itália: um ensaio. Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

BURCKHARDT, Jacob. Cartas. Tradução de Renato Rezende. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003.

BURCKHARDT, Jacob. Reflexiones sobre la historia universal. Tradução de Wenceslao Roces. México; Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 1961.

BURCKHARDT, Jacob. The Age of Constantine the Great. Tradução de Moses Hadas. Berkeley; Los Angeles: University of California Press, 1949.

BURKE, Peter. Jacob Burckhardt e o Renascimento Italiano. Em BURCKHARDT, Jacob. A cultura do Renascimento na Itália: um ensaio. Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

CHAVES, Ernani. Cultura e política: o jovem Nietzsche e Jakob Burckhardt. Cadernos Nietzsche, São Paulo, n. 9, p. 41 a 66, 2000. Disponível em: . Acesso em 06 de outubro de 2012.

CLASTRES, Pierre. A Sociedade Contra o Estado. Tradução de Theo Santiago. 4ª. Ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

COSTA, Pietro. O Estado de Direito: uma introdução histórica. Em COSTA, Pietro; ZOLO, Danilo. Estado de Direito: história, teoria, crítica. Tradução de Alberto Dastoli. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

CUNHA, Paulo Ferreira da. Constituição, Direito e utopia: do jurídico-constitucional nas utopias políticas. Coimbra: Coimbra Editora, 1996.

DOEHRING, Karl. Teoria do Estado. Tradução de Gustavo Castro Alves Araujo. Belo Horizonte: Del Rey, 2008

ELIAS, Norbert. O processo civilizador.Tradução de Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

ESPAGNE, Michel et al.Franz Theodor Kugler. Deutscher Kunsthistoriker und Berliner Dichter. Berlin: Akademie Verlag, 2010.

FERNANDES, Cássio da Silva. As contribuições de Jacob Burckhardt ao Manual de História da Arte de Franz Kugler (1848). Revista Brasileira de História,São Paulo, v.25, n.49, janeiro a junho de 2005. Disponível em:. Acesso em 6 de outubro de 2012.

FLORENZANO, Modesto. Sobre as origens e o desenvolvimento do Estado moderno no Ocidente. Lua Nova, São Paulo, nº. 71, 2007.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Tradução de Roberto Cabral de Melo Machado e Eduardo Jardim Morais. Rio de Janeiro: NAU, 2003.

GARBERSON, Eric. Review: Franz Kugler. Journal of Art Historiography,Birmingham, n. 5, p. 1 a 10, 2011. Disponível em: . Acesso em 6 de outubro de 2012.

GARNER, Roberta. Jacob Burckhardt as a theorist of Modernity: reading The civilization of the Renaissance in Italy. Sociological Theory, Washington, v. 8. n. 8, p. 48 a 57, primavera de 1990, p 52. Disponível em: . Acesso em 8 de outubro de 2012.

GAY, Peter. O estilo na história: Gibbon, Ranke, Macaulay, Burckhardt. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

GILBERT, Felix. Ranke as the teacher of Jacob Burckhardt. Syracuse Scholar, Syracuse, v. 9, n. 1, p. 19 a 24, 1988.

GROSSI, Paolo. Da sociedade de sociedades à insularidade do Estado – entre Medievo e Idade Moderna. Revista Seqüência. Florianópolis, nº. 55, 2007. Disponível em http://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/15042/13714, acessado em 08 de junho de 2013.

HELLER, Herman. Teoria do Estado. Tradução de Lycurgo Gomes da Motta. São Paulo: Editora Mestre Jou. 2000.

HEGEL, Georg W. F. The German Constitution. Trad. H. B. Nisbet. Political Writings. Org. Laurence Dickey e H. B. Nisbet. Cambridge: Cambridge University Press, 1999. Disponível em: . Acessado em 11 jun. 2014.

HINDE, John R. Jacob Burckhardt and the crisis of Modernity. Montreal & Kingston; London; Ithaca: McGill-Queen’s University Press, 2000.

JAEGER, Stephen. Burckhardt’s Renaissance and the cult of violence in the 19th century and beyond. In KOOPMANN, Helmut; BARON, Frank (Org.). The revival of the Renaissance in the Nineteenth and Twentieth Century. Münster: Mentis, 2013.

KAHAN, Alan S. Aristocratic liberalism: the social and political thought of Jacob Burckhardt, John Stuart Mill, and Alexis de Tocqueville. New York: Orford University Press, 2001.

LARGE, Duncan. “Nosso Maior Mestre”: Nietzsche, Burckhardt e o conceito de cultura. Tradução de Fernando R. de Moraes Barros. Cadernos Nietzsche, São Paulo, n. 9, p.3 a 39, 2000, p. 21. Disponível em: . Acesso em 6 de outubro de 2012.

MARTIN, James R. The theory of storms: Jacob Burckhardt and the concept of ‘historical crisis’. Journal of European Studies, Canterbury, v. 40, n. 4, p. 307 a 327, 2010.

NEWCOMB, Robert Patrick. Under the Sign of an Evil Power: Jacob Burckhardt and Alfredo Bosi. Ellipsis, journal of the American Portuguese Studies Association, New Brunswick, vol. 7, 2009. Disponível em , acessado em 5 de janeiro de 2018.

PAGLIA, Camille. Personas sexuais: arte e decadência de Nefertite a Emily Dickinson. Tradução de Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

ROSENZWEIG, Franz. Hegel e o Estado. Trad. Ricardo Timm de Souza. São Paulo: Perspectiva, 2008.

ROSENZWEIG, Franz. O pensamento político de Hegel. Trad. Paulo Neves da Silva. São Leopoldo: Editora Unisinos, 1999.

SALGADO, Joaquim Carlos. A idéia de justiça em Hegel. São Paulo: Loyola, 1996

SALOMON, Albert. Jacob Burckhardt: transcending history. Philosophy and Phenomenological Research, Providence, v. 6, n. 2, p. 225 a 269, dezembro de 1945.

SIGURDSON, Richard F. Jacob Burckhardt: the cultural historian as political thinker. The Review of Politics, Cambridge, v. 52, n. 3, p. 417 a 440, verão de 1990.

SIGURDSON, Richard. Jacob Burckhardt’s social and political thought. Toronto; Buffalo; London: University of Toronto Press, 2004.

SKINNER, Quentin. As Fundações do Pensamento Político Moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

TAYLOR, Charles. As fontes do self: a construção da identidade moderna. Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Dinah de Abreu Azevedo.São Paulo : Edições Loyola, 1997.

TOCQUEVILLE, Alexis de. O Antigo Regime e a Revolução. Trad. Yvonne Jean. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1999.

TONSOR, Stephen J. Jacob Burckhardt: tradition and the crisis of Western Culture. Modern Age: a quarterly review, Chicago, p. 3 a 10, inverno de 1997.




DOI: https://doi.org/10.17808/des.57.1068

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

All work published in Revista Direito, Estado e Sociedade are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.


ISSN-L: 1516-6104.

Classification in WebQualis: A1 - DIREITO.

Access our Facebook page by clicking here.

 


Indexadores:

 
Crossref logo