JUSTIÇA E POLÍTICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A AUTONOMIA DO JUDICIÁRIO E A PROBLEMÁTICA DO AUMENTO DO PODER DE JUÍZES NA ITÁLIA, NA FRANÇA E NO BRASIL

Amanda Alves Souza, Thaís Lemos Dos Santos

Resumo


Este artigo tem por objetivo discutir o processo de autonomização do judiciário na Itália, na França e no Brasil a fim de traçar considerações comparativas e compreender como este processo influi no aumento de poder dos juízes e sua relação com o campo político. Em face do contexto brasileiro, nos debruçaremos sobre a análise, de um ponto de vista sociológico, das condições que possibilitaram a diferenciação do campo jurídico e autonomia do judiciário. Analisaremos a diversificação na composição social da magistratura e a autonomia política frente ao executivo. Além disso, problematizaremos o fato de que a autonomia do judiciário foi desenvolvida em função mais da soberania em si do juiz singular do que em função de um sistema de justiça.


Palavras-chave


Justiça – Política – Magistratura – Judicialização da política

Texto completo:

PDF

Referências


BOBBIO, Norberto. Contra os novos despotismos: escritos sobre o berlusconismo. Tradução Erica Salatini; César Mortari Barreira. São Paulo: Editora Unesp; Instituto Norberto Bobbio, 2016.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Difusão Editorial, 1989.

ENGELMANN, Fabiano. Elementos para uma sociologia da diversificação do campo jurídico brasileiro pós-redemocratização. Florianópolis: Revista de Ciências Humanas, nº 39, p. 99-115, Abril de 2006.

_____________________. Sentidos Políticos da Reforma do Judiciário no Brasil. Rio de Janeiro: Revista Direito e Práxis, vol. 07, nº 12, 2015, p.395-412.

FALCÃO, Joaquim. A favor da democracia. Recife: Editoras Massangana/Bagaço, 2004.

FONTAINHA, Fernando de Castro. Como tornar-se juiz?: uma análise interacionista sobre o concurso da magistratura francesa. Curitiba: Juruá, 2013.

____________________________; GERALDO, Pedro Heitor Barros; VERONESE, A.; ALVES, Camila Souza. O concurso público brasileiro e a ideologia concurseira. BDA (São Paulo), v. 32, p. 58-76, 2016.

GARAPON, Antoine. O juiz e a democracia: o guardião das promessas. Tradução Maria Luiza de Carvalho. 2ª Edição. Rio de Janeiro: Revan, 2001.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre a facticidade e validade. Volume I. Tradução Flavio Beno Siebeneuchler. Rio de janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

___________________. Teoria do agir comunicativo: racionalidade da ação e racionalização social. Volume I. Tradução Paulo Astor Soethe; revisão da tradução Flavio Beno Siebeneichler. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

HABERLE, Peter. Hermenêutica Constitucional – A sociedade aberta dos intérpretes da constituição: contribuição para a interpretação pluralista e “procedimental” da constituição. Tradução Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sergio Antônio Fabris Editor, 2002.

ROUSSEL, Violaine. Affaires des juges: les magistrats dans les scandales politiques en france. Éditions La découverte, 2002.

SADEK, Tereza; BENETI, Sidnei Agostinho; FALCÃO, Joaquim. Magistrados: uma imagem em movimento. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma revolução democrática da justiça. São Paulo: Editora Cortez, 2007.

VAUCHEZ, Antoine. Justice et Politique: quelques leçons tirées de la “parabole judiciaire” italienne. Pouvoir, nº 103, 2002.

VIANNA, Luiz Werneck et all. Corpo e Alma da Magistratura Brasileira. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Revan, 1997.

__________________________. A judicialização da política e das relações sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Revan, 1999.

__________________________; BURGOS, Marcello Bauman; SALLLES, Paula Martins. Dezessete anos de judicialização da política. São Paulo: Tempo Social, revista da sociologia da Universidade de São Paulo, v.19, nº 2, novembro de 2007, p.39-85.




DOI: https://doi.org/10.17808/des.54.1010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.