(Re)Pensar a “lógica” do sistema prisional contemporâneo: uma necessidade nas estratégias de desenvolvimento local?

Dyego de Oliveira Arruda, Milton Augusto Pasquotto Mariani

Resumo


Considerando o contexto de superlotação, violência e precariedade das prisões brasileiras, o presente artigo tem como objetivo refletir acerca do “estado de coisas” das penitenciárias nacionais, conjecturando possibilidades a partir das quais pode-se (re)significar a condição do preso e, assim, fazê-lo protagonista de estratégias de desenvolvimento local. Em suma, entende-se que o desenvolvimento local perfaz um conjunto de ações que tem como propósito garantir o bem-estar das pessoas, melhorando a sua condição psicossocial e econômica. Acredita-se que o oferecimento de assistências (material, de saúde, educação e trabalho) ao detento, tanto durante quanto após o cumprimento da pena; uma melhoria das políticas públicas de amparo aos ex-presidiários; além de um combate ao estigma negativo carregado pelos ex-detentos, podem fazer com que os outrora criminosos contribuam com o desenvolvimento local dos territórios em que residem.

Palavras-chave


Presos; Sistema prisional; Desenvolvimento Local

Texto completo:

PDF

Referências


AMIN, Ash. An Institutionalist Perspective on Regional Economic Development. International Journal of Urban and Regional Research, vol. 23, n. 2, p. 365-378, 1999. http://dx.doi.org/ 10.1111/1468-2427.00201.

ANDION, Carolina. Análise de redes e desenvolvimento local sustentável. Revista de Administração Pública (RAP), Rio de Janeiro, vol. 37, n. 5, p. 1033-1054, 2003.

ÁVILA, Vicente Fideles. Realimentando discussão sobre teoria de Desenvolvimento Local (DL). Interações – Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, vol. 8, n. 13, p. 133-140, 2006.

BANDEIRA, Pedro. Texto para Discussão – Participação, articulação de atores sociais e desenvolvimento regional. Brasília: IPEA, 1999.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Falência da Pena de Prisão: Causas e Alternativas. 5ª ed. São Paulo: Ed Saraiva, 2017.

BRASIL. Lei nº 7.210 de 11 de julho de 1984 – Institui a Lei de Execução Penal. Diário Oficial da União, 11 jul. 1984.

BRITES, Isabel. A centralidade de Vigiar e Punir – História da violência nas prisões, na obra de Michel Foucault. Revista Lusófona de Educação, vol. 10, n. 10, p. 167-184, 2007.

CARDOSO, Francisca Letícia Miranda Gadelha; CECCHETTO, Fátima Regina; CORREA, Juliana Silva; SOUZA, Tiago Oliveira de. Homicídios no Rio de Janeiro, Brasil: uma análise da violência letal. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 21, n. 4, p. 1277-1288, 2016. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015214.14712015.

CESAR, Tiago da Silva. Estado, sociedade e o nascimento da prisão na América Latina. Métis: História & Cultura, vol. 12, n. 23, p. 32-48, 2013.

CORREIA, Ricardo Lopes; COSTA, Samira Lima da; AKERMAN, Marco. Processos de ensinagem em desenvolvimento local participativo. Interações – Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, vol. 18, n. 3, p. 23-39, 2017. http://dx.doi.org/10.20435/inter.v18i3.1526.

DEPEN – DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – INFOPEN. Atualização, junho/2016. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública, 2017.

DIAS, Camila Caldeira Nunes. Estado e PCC em meio às tramas do poder arbitrário nas prisões. Tempo Social – Revista de Sociologia da USP, vol. 23, n. 2, p. p. 213-233, 2011.

FERREIRA, Helder Rogério Sant’Ana; MARCIAL, Elaine Coutinho. Violência e segurança pública em 2023: cenários exploratórios e planejamento prospectivo. Rio de Janeiro: IPEA, 2015.

FILHO, José Rodrigues Alvarenga. Prisão, delinquência e subjetividade. ECOS – Estudos Contemporâneos da Subjetividade, vol. 5, n. 2, p. 161-170, 2015.

FOSU, Augustin Kwasi. Growth, Inequality and Poverty in Sub-Saharan Africa: Recent Progress in a Global Context. Oxford Development Studies, vol. 43, n. 1, p. 44-59, 2015. https://doi.org/10.1080/13600818.2014.964195.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 27ª ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

FRAGOSO, António. Contributos para o debate teórico sobre o desenvolvimento local: Um ensaio baseado em experiências investigativas. Revista Lusófona de Educação, vol. 5, n. 5, p. 63-83, 2005.

FREIXO, Marcelo. Desintegração do sistema prisional, segurança pública e exclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 21, n. 7, p. 2171-2178, 2016. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015217.11752016.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 1974.

GONÇALVES, Paula Teixeira; RIBEIRO, Daniela de Figueiredo; VENTURA, Carla Aparecida Arena. O percurso de vida de ex-presidiários: reflexões sobre prisão e desenvolvimento humano e social. Revista Perspectivas do Desenvolvimento: um Enfoque Multidimensional, vol. 3, n. 4, p. 1-33, 2015.

JARDIM, Ana Caroline Montezano; AGUINSKY, Beatriz Gershenson. A captura das mulheres pela lógica da prisão masculina: entre as relações de gênero e as violências institucionais. In: GROSSI, Patrícia Krieger. (Org.). Violências e gênero: coisas que a gente não gostaria de saber. 2ª Ed. Porto Alegre: Ed Pucrs, 2012, p. 179-205.

LESSING, Benjamin. As facções cariocas em perspectiva comparativa. Novos Estudos CEBRAP, vol. 27, n. 1, p. 43-62, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-33002008000100004.

MARTINS, Sérgio Ricardo Oliveira. Desenvolvimento Local: questões conceituais e metodológicas. Interações – Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande vol. 3, n. 5, p. 51-59, 2002.

MONTEIRO, Claudio Dantas; GUELLATI, Yacine.; FERREIRA, Helder Rogério Sant’Ana. Texto para Discussão - Brasil 2035: Tendências de peso e incertezas para segurança pública. Rio de Janeiro: IPEA, 2017.

MORAIS, Ricardo Barbosa. O poder disciplinar: uma leitura da transformação da penalidade clássica à moderna nas análises de Michel Foucault. Dissertação – Mestrado em Filosofia. 86p. São Paulo/SP: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), 1999.

NASCIMENTO, Decio Estevão do; TEIXEIRA, Marcos Aurélio Nascimento. Segurança pública e desenvolvimento local: Experiências do Brasil, Colômbia e Japão. Revista Brasileira de Planejamento e Desenvolvimento, vol. 5, n. 3, p. 365-385, 2016. http://dx.doi.org/ 10.3895/rbpd.v5n3.3790.

NERY, Marcelo Batista; ADORNO, Sérgio. O Movimento da Criminalidade em São Paulo: um Recorte Temático e Bibliográfico. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, vol. 76, n. 2, p. 5-32, 2015.

NETO, Aristides Monteiro; CASTRO, César Nunes de; BRANDÃO, Carlos Antônio. Desenvolvimento regional no Brasil: políticas, estratégias e perspectivas. Rio de Janeiro: IPEA, 2017.

QUEIROZ, Carla Figueiredo Garcia de. Potencialidades de desenvolvimento local no Instituto Penal de Campo Grande – Mato Grosso do Sul. Dissertação – Mestrado em Desenvolvimento Local. 259p. Campo Grande/MS: Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), 2017.

RANGEL, Flavio Medeiros; BICALHO, Pedro Paulo Gastalho. O alongamento do tempo de prisão e a violação de direitos na custódia de presos no Brasil. Avances en Psicología Latinoamericana, vol. 35, n. 3, p. 473-483, 2017.

SALLA, Fernando. As rebeliões nas prisões: novos significados a partir da experiência brasileira. Sociologias, vol. 8, n. 16, p. 274-307, 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222006000200011.

SANTOS, Denis Delgado; JORGE, Domenico Rodrigues Simião Reis; SOUZA, Eduardo Rumenig de. O paradoxo da política de segurança pública: estado, PCC e a gestão da violência na cidade de São Paulo. Primeiros Estudos, n. 8, p. 105-124, 2017. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2237-2423.v0i8p105-124.

SILVA, Anna Carolina Martins; ROCHA, Natalia Tenore; BRÊTAS, Ana Cristina Passarella. Mulheres entre grades: relatos de uma experiência. Revista Ciência em Extensão, vol. 12, n. 3, p. 178-189, 2016.

TAVARES, Gilead; MENANDRO, Paulo Rogério Meira. Trajetórias de vida de presidiários e possíveis sentidos para a prisão. Revista Psicologia Política, vol. 8, n. 15, p. 121-138, 2008.

UDERMAN, Simone. O Estado e a formulação de políticas de desenvolvimento regional. Revista Econômica do Nordeste, vol. 39, n. 2, p. 232-250, 2008.

UN – UNITED NATIONS. Sustainable Development Goals (SDG’s) – 17 Goals to Transform our World. Disponível em: . Acesso em 10 de fevereiro de 2018.

WACQUANT, Loïc. Bourdieu, Foucault e o Estado penal na era neoliberal. Revista Transgressões – Ciências Criminais em Debate, vol. 3, n. 1, p. 5-22, 2015.

WPB – WORLD PRISON BRIEF. Highest to Lowest – Prison Population Total. 2017. Acesso em: 07 dez. 2017. Disponível em: .




DOI: https://doi.org/10.17808/des.57.991

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

All work published in Revista Direito, Estado e Sociedade are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.


ISSN-L: 1516-6104.

Classification in WebQualis: A1 - DIREITO.

Access our Facebook page by clicking here.

 


Indexadores:

 
Crossref logo