“Saberei ensinar aos desgraçados a vereda do desespero” – Entre o crime de insurreição e o direito à resistência: o abolicionismo radical de Luiz Gama

Julio Cesar Vellozo, Silvio Luiz Almeida

Resumo


Este artigo trata da tática utilizada por Luiz Gama na luta contra a escravidão. Para tanto, parte-se da análise do tipo penal de insurreição, previsto no Código Criminal do Império, de 1830, e do conceito político de direito à resistência. A partir disso, apresentamos duas hipóteses: a primeira é a de que a atuação de Luiz Gama, seja em âmbito processual, seja por meio da imprensa, constituía uma sofisticada estratégia argumentativa de deslocar o debate a respeito da escravidão do campo do direito positivo para o campo da filosofia do direito e da filosofia política. Para isso, a distinção entre insurreição e direito de resistência era crucial porque não apenas afastava sua militância abolicionista da acusação de crime, como a jogava contra seus adversários. A segunda hipótese, que decorre da primeira é que, ao contrário do que afirma boa parte da historiografia, o líder abolicionista não optou por uma luta legalista, confiando nas possibilidades abertas pelas ações de liberdade impetradas no judiciário, mas empreendeu uma “guerra total contra a escravidão”, baseando-se em uma multiplicidade de meios e instrumentos de luta entre os quais o direito era apenas um. Dentre essas estratégias esteve a ameaça de um levante escravo.

 


Palavras-chave


PALAVRAS CHAVE: abolicionismo; Luiz Gama; história do direito no século XIX; filosofia do direito no século XIX.

Referências


REFERÊNCIAS :

ALONSO, Angela. Flores, votos e balas. O movimento abolicionista brasileiro (1868-1888). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

AZEVEDO, Elciene. O Direito dos Escravos. Lutas jurídicas e abolicionismo na província de São Paulo. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.

_________________. Orfeu de Carapinha. A trajetória de Luiz Gama na Imperial Cidade de São Paulo. Campinas: Editora da Unicamp, 1999.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. https://doi.org/10.2307/2515574

COMPARATO, Fábio Konder. Luiz Gama, herói do povo brasileiro. São Paulo: Folha de S.Paulo, 13 de maio de 2007. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz1305200709.htm. Acessado em: 17/10/2017.

CORASSIN, Maria Luiza. A Reforma Agrária na Roma Antiga. São Paulo: Brasiliense, 2008

COSTA, Vivian Chieregati. Codificação e formação do Estado-nacional brasileiro: o Código Criminal de 1830 e a positivação das leis no pós-Independência. 2013. Dissertação (Mestrado em Culturas e Identidades Brasileiras) — Instituto de Estudos Brasileiros, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. https://doi.org/10.11606/d.31.2013.tde-04112013-164930

Acesso em: 2016-02-22.

DANTAS, Monica Duarte. Dos Statutes ao Código Brasileiro de 1830: o levante de escravos como crime de insurreição. Revista do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro, v. 452, p. 273-309, 2011.

DANTAS, Mônica Duarte. Revoltas, motins e revoluções: das Ordenações ao Código Criminal. In. DANTAS, Mônica Duarte. Revoltas, motins e revoluções. Homens livres pobres e libertos no Brasil do século XIX. São Paulo: Alameda, 2011. https://doi.org/10.3368/lbr.53.2.e31

DANTAS, Monica Duarte. Da Luisiana para o Brasil: Edward Livingston e o primeiro movimento codificador no Império (o Código Criminal de 1830 e o Código de Processo Criminal de 1832). Jahrbuch fur Geschichte Lateinamerikas (1998) / Anuário de Historia de América Latina, 2015. https://doi.org/10.7767/jbla-2015-0110

FERREIRA, Ligia Fonseca. Luiz Gama (1830-1882): étude sur la vie et l’œuvre d´un Noir citoyen, militant de la lutte anti-esclavagiste au Brésil. Tese de doutorado. Paris: Universidade de Paris 3; Sorbonne Nouvelle, 2001, 4 v.

____________________. Luiz Gama por Luiz Gama: Carta a Lúcio de Mendonça. São Paulo: Teresa: revista de Literatura Brasileira, nº 8/9, págs. 300-321, 2008.

https://doi.org/10.11606/issn.2447-8997.teresa.2008.116741

____________________. De escravo a cidadão: Luiz Gama, voz negra no abolicionismo. In: MACHADO, Maria Helena; CASTILHO Celso Thomas (orgs.). Tornando-se livre : agentes históricos e lutas sociais no processo de abolição. São Paulo: Edusp, 2015.

____________________. Luiz Gama: um abolicionista leitor de Renan. São Paulo: Estudos Avançados, v. 21, nº 60, 2007, p. 271 a 288. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142007000200021

Acessado em: 17/10/2017.

FONTES, Alice Aguiar de Barros. A prática abolicionista em São Paulo: os Caifazes (1882-1888). Dissertação de Mestrado. São Paulo: FFLCH, USP, 1976.

GAMA, Luiz. Com a palavra, Luiz Gama. Poemas, artigos, cartas, máximas. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2011.

____________________. Primeiras Trovas Burlescas & outros poemas São Paulo: Martins Fontes, 2000.

GUIOMAR, Jean-Yves. L ́Invention de la Guerre Totale, XVIIIe–XXe siècle. Paris: Éditions du Félin, 2004.

JAMES, C.R.L. Os jacobinos negros. São Paulo: Boitempo, 2000.

JEFFERSON, Thomas. Escritos Políticos. São Paulo: IBRASA, 1964

LOCKE, John. Dois tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 2001;

MASSON, Philippe. Guerre Totale. In: MONTBRIAL, Thierry de; KLEIN, Jean (org). Dictionnaire de Stratégie. Paris: Presses Universitaires de France, 2000.

MENNUCCI, Sud. O precursor do abolicionismo no Brasil (Luiz Gama). São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.

POMPÉIA, Raul. Última página da vida de um grande homem. Rio de Janeiro: Gazeta de Notícias, 10 de setembro de 1882, pág. 1.

THOREAU, Henry David. A Desobediência Civil. Porto Alegre : L&PM, 1999;

VEIGA, Paulo Eduardo Barros. Virgílio e Ovídio. Poetas de Orfeu: Um estudo sobre a Poética da Expressão, seguido de Tradução e notas. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Câmpus de Araraquara, 2011


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.57.971

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104