O Estado como dispositivo

Jean-François Yves Deluchey

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo propor uma definição epistemológica que permita evitar as armadilhas dóxicas e teológicas mais comuns ao se estudar o “Estado”. Este se estrutura em cinco etapas. Primeiro, advertimos o leitor da armadilha dóxica que consiste em usar da palavra “Estado” como se este fosse uma pessoa. Segundo, a partir de uma análise etimológica, tento mostrar o quanto é contraproducente, do ponto de vista epistemológico, a tentativa de identificar alguma “essência” ao Estado. Terceiro, analiso o modelo de emergência do Estado construído por Pierre Bourdieu, que propõe uma abordagem mais agnóstica do mesmo a partir da crítica da definição (clássica) de Max Weber. Em seguida, analiso o Estado enquanto ficção jurídica, e busco identificar as principais armadilhas dóxicas relativas ao ordenamento jurídico do Estado na ordem liberal-capitalista. No final do estudo, tento dar uma definição epistemológica ao “Estado” como metadispositivo, a partir do conceito de dispositivo tal como conceituado por Michel Foucault.

Palavras-chave


Estado, Dispositivo, Metadispositivo, Doxa, Teoria do Estado

Referências


ALTHUSSER, Louis. Contradiction et Surdétermination (notes pour une recherche). ALTHUSSER, Louis. Pour Marx. Paris: La Découverte, 1986 [1962], p. 85-128.

ALTHUSSER, Louis. Idéologie et Appareils Idéologiques d´État (notes pour une recherche). ALTHUSSER, Louis. Positions (1964-1975), Paris: Éditions Sociales, 1976, p. 67-125.

BACHELARD, Gaston. La formation de l´esprit scientifique, Paris: J. Vrin, 2011 [1938].

BADIOU, Alain. L´emblème démocratique. AGAMBEN, Giorgio. BADIOU, Alain. (et al.). Démocratie, dans quel état ? Paris : La Fabrique, 2009, p. 15-26.

BLACKBURN, Ronald (Org.). Ideologia na Ciência Social. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

BOURDIEU, Pierre. Introdução a uma Sociologia Reflexiva. O poder simbólico. Lisboa: B. Brasil, 1989.

BOURDIEU, Pierre. Meditações Pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001 [1997].

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas. Sobre a teoria da ação. Campinas (SP): Papirus, 2008 [1994].

BOURDIEU, Pierre. Sur l’Etat. Cours au Collège de France (1989-1992), Paris: Éditions Raisons d’agir / Éditions du Seuil, 2012.

DELEUZE, Gilles. Conversações 1972-1990. São Paulo: Ed. 14, 1992.

DELUCHEY, Jean-François. Sobre estratégias e dispositivos normativos em Foucault: considerações de método. Revista da Faculdade de Direito da UFG, v. 40, n.2, jul/dez 2016, p. 175-196.

DERRIDA, Jacques. Força de lei: o fundamento místico da autoridade. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

DURKHEIM, Emile. As formas elementares da vida religiosa. O sistema totêmico na Australia, São Paulo: Martins Fontes, 2003 [1912].

ENGELS, Friedrich. KAUTSKY, Karl. O socialismo jurídico. São Paulo: Boitempo, 2012 [1887].

FOUCAULT, Michel. Em Defesa da Sociedade, São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. Le jeu de Michel Foucault. Foucault, Michel. Dits et Écrits 1954-1988, Vol. III “1976-1979”. Paris : Éditions Gallimard. 1994. p. 298-329. Originalmente publicado em Ornicar? Bulletin périodique du champ freudien. n.10, p. 62-93, julho 1977.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. DREYFUS H., RABINOW P.. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, p. 231-249.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População, São Paulo: Martins Fontes, 2009 [1978].

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008 [1979].

FREUD, Sigmund. Totem e Tabu, Rio de Janeiro: Imago Editora, 2006 [1913].

GRAMSCI, Antônio. Cadernos do cárcere. Vol. 3. Maquiavel: Notas sobre o Estado e a Política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011/1932-1934 (4a ed.).

HOBBES, Thomas. Leviatã, São Paulo: Martins Fontes, 2003 [1651].

HOBBES, Thomas. Leviathan, or The Matter, Forme, & Power of a Common-Wealth Ecclesiasticall and Civill. Oxford, Clarendon Press, 1929 [1651].

MARX, Karl. Contribuição à Crítica da Filosofia do Direito de Hegel: Introdução. São Paulo: Expressão Popular, 2010a [1844].

MARX, Karl. Le 18 Brumaire de Napoléon Bonaparte. Paris: Éditions Science Marxiste, 2010b [1869].

MASCARO, Alysson L. Estado e forma política. São Paulo: Boitempo, 2013.

NIETZSCHE, Friedrich. La Généalogie de la Morale. Paris: Librairie Générale Française, 2000 [1887].

PASCAL, Blaise. Les Pensées. Paris: P. Lethielleux, 1896 [1669].

POULANTZAS, Nicos. L´État, le pouvoir, le socialisme. Paris: PUF, 1981 [1978].

RANCIÈRE, Jacques. Aux bords du politique, Paris: Éditions La Fabrique, 2007 [1998].

WEBER, Max. Ensaios de Sociologia. organização, edição e introdução por H. H. Gerth e C. Wright Mills, Rio de Janeiro: LTC, 1982 [edição original inglesa de 1946, conferência de Weber de 1919].

WOOD, Ellen Meiksins. Democracia Contra Capitalismo. A renovação do materialismo histórico. São Paulo: Boitempo, 2003 [1995].


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.53.949

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104