As coleções arqueológicas e museológicas face às reivindicações internacionais: recuperação de objetos rituais, restituição e reinumação de restos mortais

João Mitia Antunha Barbosa, Marco Antonio Barbosa

Resumo


Abordam-se as coleções arqueológicas e museológicas face às
reivindicações contemporâneas dos povos autóctones visando recuperar
seu patrimônio cultural e biológico detido por inúmeros museus do mundo
e apresentam-se e discutem-se as diferentes posições assumidas pelos
conservadores dos museus, cientistas, políticos, antropólogos e lideranças
indígenas, passando pela ética e pelo direito, para concluir que as razões
que sustentaram a apropriação desse patrimônio pelos museus ocidentais
não mais se justificam o que os tem levado ou a espontaneamente revisarem
suas posições ou a serem compelidos a devolverem os objetos e restos
humanos de outros povos por eles detidos e reivindicados, porém, ainda
de forma limitada e circunscrita aos pedidos específicos, ademais disso a
ideia de zoos humanos aplica-se no presente a outros e novos campos de
exploração das identidades e patrimônios autóctones, tais como no turismo
e outras formas contemporâneas de exploração e desrespeito.

Palavras-chave


museus; patrimônio cultural; restos humanos; povos indígenas; ética; direito.

Referências


BARBOSA, João Mitia Antunha. Les lieux des savoirs autochtones. Berlin: Ed. Universitaires Européennes, 2012.

BLANCHARD, Pascal. Les zoos humains aujourd’hui? In: BANCEL, Nicolas; BLANCHARD, Pascal; BOETSCH, Gilles et al. (org.) Zoos Humains. Au temps des exhibitions humaines. Paris: La Découverte, 2004, p. 63-71.

CADOT, Laure. Les restes humains: une gageure pour les musées? In La lettre de l’OCIM (Office de Coopération et d’information Muséographiques), n. 109, 2007, p.4-15

DAES, Erica-Irene. Protection du patrimoine des populations autochtones. In: Série d’études sur les Droits de l’Homme –nº 10 des Nations Unies. New York et Genève, 1997

DOURMEC, Vincent. La France coloniale et les zoos humains. In: L’histoire par l’image. Disponível em :

analyse.php?i=885#contexte>. Acesso em : 05/02/2014.

DUPAIGNE, Bernard. Le scandale des arts premiers: la véritable histoire du Musée du Quai Branly. Paris: Mille et une nuits, 2006.

DURHAM, Eunice. A Universidade e a machadinha. In Folha de São Paulo de 02 de maio de 1986, seção Opinião.

FOLHA DE SÃO PAULO, Edição de 01/5/1986.

FOLHA DE SÃO PAULO, Edição de 02/5/1986.

GOLDESTEIN, Ilana. Reflexões sobre a arte “primitiva”: o caso do Musée Branly.In: Horizontes Antropológicos, vol. 14, n. 29. Porto Alegre, Jan/Junho 2008.

LANGANEY, André. Collection humaines et sciences inhumaines: échantillons et reliques. In: BANCEL, Nicolas; BLANCHARD, Pascal; BOETSCH, Gilles et al. (org.) Zoos Humains. Au temps des exhibitions humaines. Paris: La Découverte, 2004, p.374-380

L’ESTOILE, Benoît De. Le goût des autres. De l’exposition coloniale aux arts premiers. Paris: Flammarion, 2007.

LE FIGARO, Edição de 01/10/1996.

LE MONDE, La France restitue vingt têtes maories à la Nouvelle-Zélande, Edição de 23 de Jan. 2012. Disponível em: . Acesso em : 31 Mar. 2014.

LE MONDE. Edição de 01 de Jul. de 2009.

MANCERON, Gilles. Les ‘sauvages’ et les droits de l’homme: un paradoxe républicain. In: BANCEL, Nicolas; BLANCHARD, Pascal; BOETSCH, Gilles et al.(org.) Zoos Humains. Au temps des exhibitions humaines. Paris: La Découverte, 2004, p. 399-405.

MARIN, Jean-Yves. Statut des restes humains, les revendications internationales.In: Le patrimoine culturel religieux. Enjeux juridiques et pratiques cultuelles. Paris: L’Harmattan, 2006.

MELO, Jorge Henrique Teotonio de Lima. Kàjré: A vida social de uma machadinha krahô. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2010. Disponível em:

tde_busca/arquivo.php?...3961>. Acesso em: 29/01/2014.

MUSEUMS ASSOCIATION, Code of Ethics, N/A.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.43.369

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104