Spinoza e o conceito de multidão: reflexões acerca do sujeito constituinte

Francisco Guimaraens

Resumo


O presente trabalho busca demonstrar alguns aspectos do conceito de multidão, segundo a filosofia de Spinoza. Para atingir este fim, optou-se por demonstrar as ressalvas que a teoria política moderna hegemonicamente estabeleceu a respeito da participação da multidão no processo de constituição do estado civil e do direito positivo, o que terminou por relegar a idéia de multidão a um certo esquecimento, em virtude de uma suposta inaptidão da multidão para fundar a política e o direito. A partir desta constatação, este trabalho visa a apresentar como a posição de Spinoza, ao afirmar o papel central exercido pela multidão na constituição do direito e na ação política, destoa da tradição do pensamento político moderno, determinando uma linha alternativa de compreensão dos fundamentos do direito e da política.

Palavras-chave


Spinoza; multidão; soberania; modernidade; Política; Direito.

Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.29.291

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104