O fundamento da responsabilidade kantiana: um instrumento contra a inefetividade dos direitos

Raphael Bruno Veloni, Newton de Oliveira Lima

Resumo


Resumo: Neste trabalho, expõe-se a categoria dos deveres em sociedades qualificadas pelo risco de não concretização de direitos. O objetivo foi analisar a validade da reelaboração da lógica da responsabilidade civil com esteio na meritocracia e punição kantiana para a efetividade de direitos. A meritocracia é a prática de uma conduta que vai além do que se pode ser legalmente obrigado a realizar; logo, não representa tão somente uma conduta autorizada, mas também uma conduta estimulada pelo ordenamento, variando em certas interpretações. Dessa forma, a justificativa reside na elaboração de um sistema lógico para o mérito, débito e demérito das condutas humanas, para que os efeitos da responsabilidade civil tenham alcance geral, não se restringindo à reparação ou prevenção individual. No que tange à metodologia, nesta pesquisa de natureza qualitativa e de base bibliográfica, optou-se pelo método dedutivo. Os métodos de procedimento empregados foram o monográfico e histórico. Conclui-se pela validade, na responsabilidade civil, das sanções positivas no estímulo à realização dos deveres fundamentais pelos particulares, mas destaca a sua dependência do demérito. Nesses termos, demonstra-se certas balizas para esse insipiente sistema, sendo necessária vontade legislativa para construções mais abrangentes, as quais podem admitir as concepções de meritocracia desta pesquisa.

Palavras-chave: responsabilidade kantiana, responsabilidade civil, lei jurídica, lei moral, imputação judiciária.

Abstract: In this work, the category of duties in societies qualified for the risk of non-realization of rights is exposed. The objective was to analyze the validity of the reelaboration of the logic of civil liability based on Kantian notion of meritocracy and punishment for the effectiveness of rights. The meritocracy is the practice of a conduct that goes beyond what can be legally required to do; therefore, it not only represents an authorized conduct, but also a conduct stimulated by the order, varying in certain interpretations. Thus, the justification lies in the elaboration of a logical system for the merit, debit and demerit of human conducts, so that the effects of civil liability have general scope, not restricting itself to individual reparation or prevention. Regarding the methodology, in this qualitative research with a bibliographic basis, we opted for the deductive method. The methods of procedure employed were the monographic and historical one. It concludes by the validity, in civil liability, of the positive sanctions in stimulating the achievement of fundamental duties by individuals, but it highlights its dependence on demerit. In these terms, there are certain beacons for this incipient system, being necessary a legislative will for more comprehensive constructions, which may admit the meritocracy conceptions of this research.

Keywords: Kantian responsibility, civil liability, legal law, moral law, judicial imputation. 


Palavras-chave


Responsabilidade kantiana; Responsabilidade civil; Lei jurídica; Lei moral; Imputação judiciária;

Referências


ASCENSÃO, J. de O. A dignidade da pessoa e o fundamento dos direitos humanos. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, Vol. 103, Issue 0, pp. 277-299, 1 Jan. 2008. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8235.v103i0p277-299.

BECK, U. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. Tradução de Sebastião Nascimento. São Paulo: Ed. 34, 2010.

BECKENKAMP, Joãosinho. O direito como exterioridade da legislação prática em Kant. In: Ethic@, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 151-171, dez. 2003.

______. Sobre a moralidade do direito em Kant. In: Ethic@, Florianópolis, v. 8, n. 1, jun. 2009, p. 63-83. https://doi.org/10.5007/1677-2954.2009v8n1p63.

BOBBIO, N. Diritto e Stato nel pensiero di E. Kant. Turim: Giappichelli, 1969.

______. A era dos direitos. Tradução de C. N. Coutinho e apresentação de Celso Lafer. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

______. Da estrutura à função: novos estudos de teoria do direito. Tradução de D. Beccaccia Versiani e revisão técnica de O. Seixas Bechara e R. Nagamine. São Paulo: Manole, 2007.

BRASIL. Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 jan. 2002.

CANOTILHO, J. J. G. Direito constitucional e teoria da constituição. 7. ed. Coimbra: Almedina, 2003.

CAVALIERI FILHO, S. Programa de responsabilidade civil. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

DODSON, Kevin E. Kant’s Socialism: a philosophical reconstruction. Social theory and practice, Florida State University Department of Philosophy, Florida, v. 29, n. 4, p. 525-538, 14 oct. 2003. https://doi.org/10.5840/soctheorpract200329429.

FEITOSA, M. L. P. A. M. Humanização do direito civil constitucional ou por um direito civil social: lineamentos introdutórios. Revista de Direito Civil Contemporâneo-RDCC, São Paulo, v. 11, ano 4, pp. 239-257, abr.-jun., 2017. Disponível em: http://ojs.direitocivilcontemporaneo.com/index.php/rdcc/article/view/291. Acesso: 15 nov. 2018.

FERRAZ JUNIOR, T. S. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. São Paulo: Atlas, 2003.

HOMEM-ARANHA. Direção: Sam Raimi. Produção: Laura Ziskin e Ian Bryce. Intérpretes: Tobey Maguire, Williem Defoe, Kirsten Dunst et. al. Roteiro: David Koepp. Culver City, Califórnia: Sony Pictures Entertainment Inc.; Marvel Entertainment; Laura Ziskin Productions; Columbia Pictures, 2002.

KANT, I. Crítica da razão pura. Tradução de Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Introdução e notas de Alexandre Fradique Morujão. 5. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

______. Fundamentação da metafísica dos costumes: 70 textos filosóficos. Tradução: Paulo Quintela. Lisboa: Casagraf, 2007. Disponível em: http://ufpr.cleveron.com.br/arquivos/ET_434/kant_metafisica_costumes.pdf. Acesso em: 25 set. 2016.

______. Doutrina do direito. Tradução de Edson Bini. 4. ed. revista e atualizada. São Paulo: Ícone, 2013. (Coleção Fundamentos do Direito).

______. Metafísica dos costumes. Tradução, textos adicionais e notas de Edson Bini. 3. ed. São Paulo: Edipro, 2017.

KERSTING, Wolfgang. Politics, freedom, and order: Kant’s political philosophy. In: GUYEW, Paul (editor). The Cambridge Companion to Kant. Cambridge: Cambridge University Press, 1992. https://doi.org/10.1017/CCOL0521365872.012.

______. Liberdade bem-ordenada: filosofia do direito e do estado de Immanuel Kant. Tradução e revisão de Luís Afonso Heck. 3. ed. ampl. e trabalhada. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Ed., 2012.

LAFARGUE, P. Direito à Preguiça. [S.l.: s.n.], 1999. Disponível em: http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/direitopreguica.pdf. Acesso em: 16 nov. 2018.

LEITE, F. T. 10 Lições sobre Kant. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

LIMA, N. de O. O estado de direito em Kant e Kelsen. Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2017.

NABAIS, J. C. A face oculta dos direitos fundamentais: os deveres e os custos dos direitos. Revista da AGU, Vol. 1, Issue 1, 30 Jun. 2005. https://doi.org/10.25109/2525-328x.v.1.n.01.2002.525.

NETTO, F. P. B.; FARIAS, C. C. de; ROSENVALD, N. Novo tratado de responsabilidade civil. 3. Ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018.

PUFENDORF, S. von. De jure naturae et gentium: libri octo. New York: [s. n.], 1934. https://doi.org/10.1515/9783050074252.309

ROSENVALD, N. As funções da responsabilidade civil: a reparação e a pena civil. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

SALGADO, Joaquim Carlos. A necessidade de filosofia do direito. Rev. Fac. Direito da UFMG, Belo Horizonte, v. 31, n. 30/31, p. 13-19, 1988. Disponível em: https://www.direito.ufmg.br/revista/index.php/revista/article/view/1021. Acesso em: 18 jun. 2020.

SANDEL, M. J. Justiça: o que é fazer a coisa certa. Tradução de Heloisa Matias e Maria Alice Matos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

SCHREIBER, A. Novos paradigmas da responsabilidade civil: da erosão dos filtros da reparação à diluição dos danos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

SEDGWICK, S. Fundamentação da metafísica dos costumes: uma chave de leitura. Tradução de Diego Kosbiau Trevisan. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017. (Coleção Chaves de Leitura).

SOLARI, G. Formazione Storica e Filosofica dello Stato Moderno. Turim: Giappichelli, 1962.

TERRA, Ricardo R. Kant & o direito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.0.1392

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Direito, Estado e Sociedade

ISSN: 1516-6104