Releitura dos Espaços Público e Privado frente às TICS

Amélia do Carmo Sampaio Rossi, Cinthia Obladem de Almendra Freitas

Resumo


Resumo: O presente trabalho procura estabelecer a compreensão da interseccionalidade entre os espaços público e o privado à luz das novas tecnologias de informação. Para tanto, utilizando-se do método de abordagem lógico-dedutivo em uma investigação de corte interdisciplinar com ênfase na pesquisa bibliográfica, partiu-se da perspectiva da separação entre espaço público e privado na Antiguidade Clássica, sob a ótica de Hannan Arendt, para compreender atualmente, na era da conexão e da mobilidade, como as novas tecnologias de informação interferem e redimensionam na compreensão destes espaços, fazendo com que se tornem cada vez mais tênues as diferenças entre os mesmos. O ciberespaço, surge com a promessa de que os indivíduos pudessem recuperar sua voz e atuação por meio do uso das redes sociais, o que poderia ser a esperança de reconstrução de um novo espaço público. Não obstante, a possibilidade de interação e compartilhamento de significados entre os indivíduos, que seria essencial para tal reconstrução, parece não acontecer no uso que se faz do ciberespaço no mundo globalizado, tornando-o mais próximo à ideia de Torre de Babel.

Palavras-chave: espaço público, espaço privado, cidadania, tecnologias de informação e comunicação

Abstract: The article seeks to establish an understanding of intersectionality between public and private spaces based on new information technologies. For this, using the logical-deductive method in an interdisciplinary research with emphasis in the bibliographical research, it was started from the perspective of the separation between public and private space in Classical Antiquity, based on the perspective of Hannan Arendt, to understand today, in the age of connection and mobility, as new information technologies interfere and reshape the comprehension of these spaces, making the differences between them become increasingly tenuous. Cyberspace arises with the promise that individuals could recover their voice and performance through the use of social networks, which could be the hope of rebuilding a new public space. Nevertheless, the possibility of interaction and sharing of meanings between individuals, which would be essential for such a reconstruction, does not seem to occur in the use of cyberspace in the globalized world, making it closer to the idea of Tower of Babel.

Keywords: public space, private space, citizenship, information and communication technologies


Palavras-chave


espaço público; espaço privado; cidadania; tecnologias de informação e comunicação

Referências


ARAUJO, Regina Borges. “Computação ubíqua: princípios, tecnologias e desafios”. In: Anais do XXI Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores, Natal, RN, 2003. pp. 45-115.

ARENDT, Hanna. (2005), A condição humana. (trad. Roberto Raposo, posfácio de Celso Lafer). 10 ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária.

BAUMAN, Zygmunt. (2000), Em busca da política. (trad: Marcus Penchel) Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BOYD, Danah. (2009), “Streams of content, limited attention: the flow of information through social media”. Expo Web2.0, New York, NY: November 17. https://www.danah.org/papers/talks/Web2Expo.html. Consultado em 21/04/2019.

CARVALHEIRO, José Ricardo, PRIOR, Hélder, MORAIS, Ricardo. (2013), “Público, privado e representação online: o caso do facebook”. In: António Fidalgo, João Canavilhas (orgs.), Comunicação Digital-10 anos de Investigação, Coimbra, Minerva Coimbra Edições.

CASTELLS, Manuel. (2007), Reflexões sobre internet, negócios e sociedade. (trad. Rita Espanha). 2ª. ed., Fundação Calouste Gulbenkian: Lisboa.

DRAKE, William J.; CERF, Vinton G.; KLEINWÄCHTER, Wolfgang. (2016), “Internet fragmentation: an overview”. World Ecomonic Forum, Committed to Improving the State of the World, p. 1-77. http://www3.weforum.org/docs/WEF_FII_Internet_Fragmentation_An_Overview_2016.pdf. Consultado em 21/04/2019.

ECHEBURÙA, Enrique; CORRAL, (2010), “Adicción a las nuevas tecnologías y a las redes sociales em jóvenes: un nuevo reto”. Adicciones, 22(2): 91-96.

FREITAS, Cinthia Obladen de Almendra; PAMPLONA, Danielle Anne. (2017), “Cooperação entre estados totalitários e corporações: o uso da segmentação de dados e profiling para violação de direitos humanos”. In: RUARO, Regina Linden; MANÃS, José Luis Piñar; MOLINARO, Carlos Alberto (orgs.). Privacidade e proteção de dados pessoais na sociedade digital. Porto Alegre, RS: Editora Fi, pp. 119-144.

GREENFIELD, Adam. (2006), Everyware: The dawning age of ubiquitous computing. AIGA: New Riders.

IANNI, Octávio. (2006), Teorias da globalização. 13ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

MARTELETO, Regina Maria. (2001), “Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação”. Ciência da Informação, Brasília, 30(1): 71-81, janeiro/abril.

MOUTINHO, Ana Maria. (2010), Inteligência ambiente: contributo para a conceptualização de parede inteligente. Lisboa, 59 p. Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas-Artes. http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/7277/2/ULFBA_tes%20392.pdf. Consultado em 21/04/2019.

PARISER, Eli. (2012), O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Trad. Diego Alfaro. Rio de Janeiro: Zahar.

RECUERO, Raquel. (2005), “Redes sociais na internet: considerações iniciais”. E Compós, 2: 1-23. http://www.e-compos.org.br/seer/index.php/ecompos/article/view/28/29. Consultado em 21/04/2019.

ROLINS, Claudia Silva Villa Alvarez de Noronha. (2001), Aplicações para computação ubíqua. Programa de Mestrado, Departamento de Informática, PUC-Rio.

SCHWAB, Klaus. (2016), A quarta revolução industrial. (trad. Daniel Moreira Miranda), São Paulo: Edipro.

TELLES, Vera da Silva. (1990), “Espaço público e espaço privado na constituição social: notas sobre o pensamento de Hannah Arendt”. Tempo soc., 2(1): 23-48.

TRUZZI, Gisele. (2015), Redes Sociais e Segurança de Informação. Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC. http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/artigo-redes-sociais-e-seguranca-da-informacao.pdf/. Consultado em 21/04/2019.

WEISER, Mark. (1991), “The Computer for the 21st Century”, Scientific American, 1: 94-104, setembro.

WEISER, Mark. (1993), "Ubiquitous Computing", Nikkei Electronics, 6: 137-143, dezember. http://www.ubiq.com/hypertext/weiser/UbiCACM.html


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.0.1343

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Direito, Estado e Sociedade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 1516-6104