Releitura dos Espaços Público e Privado frente às TICS

Amélia do Carmo Sampaio Rossi, Cinthia Obladem de Almendra Freitas

Resumo


O presente trabalho procura estabelecer a compreensão da interseccionalidade entre os espaços público e o privado à luz das novas tecnologias de informação. Para tanto, utilizando-se  do método de abordagem lógico-dedutivo em uma investigação de corte interdisciplinar com ênfase na pesquisa bibliográfica, partiu-se da perspectiva da separação entre espaço público e privado na Antiguidade Clássica, sob a ótica de Hannan Arendt, para compreender atualmente, na era da conexão e da  mobilidade, como as novas tecnologias de informação interferem e redimensionam na compreensão destes espaços, fazendo com que se tornem cada vez mais tênues as diferenças entre os mesmos. O ciberespaço, surge com a promessa de que os indivíduos pudessem recuperar sua voz e atuação por meio do uso das redes sociais, o que poderia ser a esperança de reconstrução de um novo espaço público. Não obstante, a possibilidade de interação e compartilhamento de significados entre os indivíduos, que seria essencial para tal reconstrução, parece não acontecer no uso que se faz do ciberespaço no mundo globalizado, tornando-o mais próximo à ideia de Torre de Babel.


Palavras-chave


espaço público; espaço privado; cidadania; tecnologias de informação e comunicação

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Regina Borges. “Computação ubíqua: princípios, tecnologias e desafios”. In: Anais do XXI Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores, Natal, RN, 2003. pp. 45-115.

ARENDT, Hanna. (2005), A condição humana. (trad. Roberto Raposo, posfácio de Celso Lafer). 10 ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária.

BAUMAN, Zygmunt. (2000), Em busca da política. (trad: Marcus Penchel) Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BOYD, Danah. (2009), “Streams of content, limited attention: the flow of information through social media”. Expo Web2.0, New York, NY: November 17. https://www.danah.org/papers/talks/Web2Expo.html. Consultado em 21/04/2019.

CARVALHEIRO, José Ricardo, PRIOR, Hélder, MORAIS, Ricardo. (2013), “Público, privado e representação online: o caso do facebook”. In: António Fidalgo, João Canavilhas (orgs.), Comunicação Digital-10 anos de Investigação, Coimbra, Minerva Coimbra Edições.

CASTELLS, Manuel. (2007), Reflexões sobre internet, negócios e sociedade. (trad. Rita Espanha). 2ª. ed., Fundação Calouste Gulbenkian: Lisboa.

DRAKE, William J.; CERF, Vinton G.; KLEINWÄCHTER, Wolfgang. (2016), “Internet fragmentation: an overview”. World Ecomonic Forum, Committed to Improving the State of the World, p. 1-77. http://www3.weforum.org/docs/WEF_FII_Internet_Fragmentation_An_Overview_2016.pdf. Consultado em 21/04/2019.

ECHEBURÙA, Enrique; CORRAL, (2010), “Adicción a las nuevas tecnologías y a las redes sociales em jóvenes: un nuevo reto”. Adicciones, 22(2): 91-96.

FREITAS, Cinthia Obladen de Almendra; PAMPLONA, Danielle Anne. (2017), “Cooperação entre estados totalitários e corporações: o uso da segmentação de dados e profiling para violação de direitos humanos”. In: RUARO, Regina Linden; MANÃS, José Luis Piñar; MOLINARO, Carlos Alberto (orgs.). Privacidade e proteção de dados pessoais na sociedade digital. Porto Alegre, RS: Editora Fi, pp. 119-144.

GREENFIELD, Adam. (2006), Everyware: The dawning age of ubiquitous computing. AIGA: New Riders.

IANNI, Octávio. (2006), Teorias da globalização. 13ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

MARTELETO, Regina Maria. (2001), “Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação”. Ciência da Informação, Brasília, 30(1): 71-81, janeiro/abril.

MOUTINHO, Ana Maria. (2010), Inteligência ambiente: contributo para a conceptualização de parede inteligente. Lisboa, 59 p. Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas-Artes. http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/7277/2/ULFBA_tes%20392.pdf. Consultado em 21/04/2019.

PARISER, Eli. (2012), O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Trad. Diego Alfaro. Rio de Janeiro: Zahar.

RECUERO, Raquel. (2005), “Redes sociais na internet: considerações iniciais”. E Compós, 2: 1-23. http://www.e-compos.org.br/seer/index.php/ecompos/article/view/28/29. Consultado em 21/04/2019.

ROLINS, Claudia Silva Villa Alvarez de Noronha. (2001), Aplicações para computação ubíqua. Programa de Mestrado, Departamento de Informática, PUC-Rio.

SCHWAB, Klaus. (2016), A quarta revolução industrial. (trad. Daniel Moreira Miranda), São Paulo: Edipro.

TELLES, Vera da Silva. (1990), “Espaço público e espaço privado na constituição social: notas sobre o pensamento de Hannah Arendt”. Tempo soc., 2(1): 23-48.

TRUZZI, Gisele. (2015), Redes Sociais e Segurança de Informação. Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC. http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/artigo-redes-sociais-e-seguranca-da-informacao.pdf/. Consultado em 21/04/2019.

WEISER, Mark. (1991), “The Computer for the 21st Century”, Scientific American, 1: 94-104, setembro.

WEISER, Mark. (1993), "Ubiquitous Computing", Nikkei Electronics, 6: 137-143, dezember. http://www.ubiq.com/hypertext/weiser/UbiCACM.html




DOI: https://doi.org/10.17808/des.0.1343

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

All work published in Revista Direito, Estado e Sociedade are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.


ISSN-L: 1516-6104.

Classification in WebQualis: A1 - DIREITO.

Access our Facebook page by clicking here.

 


Indexadores:

 
Crossref logo