Formalismo e segurança jurídica no Direito Tributário: por que ainda somos formalistas

Daniel Giotti de Paula

Resumo


Resumo: O senso comum na prática jurídica tem criticado o formalismo, como uma atitude mecânica de interpretação e aplicação do Direito, que não se afinaria com as atuais necessidades da sociedade. No caso do Direito Tributário, porém, existe uma longa tradição de valorização da certeza e da tipicidade cerrada, que redundaria na defesa da dignidade das regras jurídicas e na tomada da segurança como bem jurídico de especial proteção para os contribuintes. Isso leva a que a dogmática tributária tradicional aceite, em algum grau, as quatro teses principais do formalismo jurídico: restrição judicial, determinação, conceitualismo e amoralidade da adjudicação. Tais teses que constituem o núcleo do formalismo são tipos ideias, pois não são vetores que informar a interpretação e aplicação do Direito Tributário em todas as situações. Este artigo, ao contrário das tendências de apoiar e desaprovar o formalismo tributário, coloca-o em discussão, para concluir um pouco de formalismo ainda existe e é esperado na interpretação e aplicação do Direito Tributário, propondo, afinal, que fiscais e julgadores se valham do que se nomeia como formalismo moderado na solução de conflitos.

Palavras-chave: formalismo, segurança jurídica, direito tributário, teoria da decisão.

Abstract: Common sense in legal practice has criticised formalism, as a mechanical attitude of interpretation and application of law, which would not be tuned to the current needs of society. In the case of tax law, however, there is a long tradition of valuing the certainty and the close typicality, which would make the defense of the dignity of the legal rules and the taking of security as a legal right of special protection for taxpayers. This leads to the traditional tax dogmatic accepted, to some degree, the four main theses of legal formalism: judicial restriction, determination, conceptualism and amorality of the award. These theses that constitute the nucleus of formalism are ideas types, because they are not vectors that inform the interpretation and application of tax law in all situations. This article, unlike the tendencies to support and disapprove of tax formalism, puts it into discussion, to conclude a little formalism still exists and is expected in the interpretation and application of tax law, proposing, after all, that tax and Judges are worth what they appoint as moderate formalism in resolving conflicts.

Keywords: formalism, legal certainty, tax law, decision theory.


Palavras-chave


Formalismo; Segurança jurídica; Direito Tributário; Teoria da decisão.

Referências


ALEXY, Robert. Entre positivismo y no positivismo: tercera réplica a Eugenio Bulygin. In: BÉLTRAN, Jordi Ferrer; MORESO, José Juan; PAPAYANNIS, Diego M. (eds.). Neutralidad y teoría del derecho. Madrid: Marcial Pons, 2012.

ARENA, Frederico José. Formalismos jurídicos y institucionalismo ecnómico: un analísis filosófico de la crítica al formalismo. In: “Revista Telemática de Filosofía del Derecho, n. 13, 2010, pp. 185-202.

ATIENZA, Manuel. Cómo desenmascarar a un formalista? In: ISONOMÍA, n. 34, abril/2011.

ÁVILA, Humberto. Segurança jurídica: entre permanência, mudança e realização no Direito Tributário. 2ª ed., São Paulo: Malheiros, 2012.

BECHO, Renato Lopes. Filosofia do Direito Tributário. São Paulo: Saraiva, 2010.

BECKER, Alfredo Augusto. Teoria Geral do Direito Tributário. 3a ed., São Paulo: LEJUS, 1998.

BOBBIO, Norberto. Direito e poder. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

________________. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito. Trad. Márcio Pugliesi, Edson Bini e Carlos E. Rodrigues. São Paulo: Ícone, 1999.

BRAND-BALLARD, John. Devem os juízes considerar argumentos morais? In: “STRUCHINER, Noel; TAVARES, Rodrigo de Souza (organizadores). Novas fronteiras da teoria do Direito: da filosofia moral à psicologia. Rio de Janeiro: Pod Editora e Editora PUC Rio, 2014.

BUFFON, Marciano; MATOS, Mateus Bassani de. Tributação no Brasil do Século XXI: uma abordagem hermeneuticamente crítica. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015.

CALIENDO, Paulo. Direito Tributário: Três Modos de pensar a tributação-elementos para uma teoria sistemática do Direito Tributário. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

CARVALHO, Cristiano. Ficções Jurídicas no Direito Tributário. São Paulo: Noeses, 2008.

CARVALHO, Paulo de Barros. Direito Tributário – linguagem e método. 2ª ed., São Paulo: Noeses, 2008.

COX, Paul N. An interpretation and (partial) defense of legal formalism. In: Indiana Law Review, Vol. 36, 2002.

FERREIRA NETO, Arthur. Fundamentos materiais da tributação: comutação, restauração, distribuição, reconhecimento e participação. In: ÁVILA, Humberto (coord.). Fundamentos do Direito Tributário. São Paulo: Marcial Pons, 2012.

_____________________. Metaética e a Fundamentação do Direito. Porto Alegre: Elengatia Juris, 2015

FOLLONI, André. Ciência do Direito Tributário no Brasil: crítica e perspectivas a partir de José Souto Maior Borges. São Paulo: Saraiva, 2013.

______________. Reflexões sobre complexity science no direito tributário. In: MACEI Demetrius Nichele et. al. (org.). Direito tributário e filosofia. Curitiba: Instituto Memória, 2014, p. 24-37.

GUASTIN, Riccardo. Juristenrecht. Inventando Derechos, Obligaciones y Poderes. In: BELTRÁN, J.F.; MORESO, J.J.; PAPAYANNIS, D. M. Op. cit., 2012.

GRECO, Marco Aurélio. Contribuições (uma figura ‘sui generis’). São Paulo: Dialética, 2000.

GRECO, Marco Aurélio. Três papéis da legalidade tributária. In: “RIBEIRO, Ricardo Lodi; ROCHA, Sérgio André. Legalidade e tipicidade no Direito Tributário. São Paulo: Quartier Latin, 2008, pp. 102-110

HABERMAS, Jürgen. Direito e Democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

LEITER, Brian. Legal formalism and legal realism: what is the issue? Disponível em http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1646110, acesso em 20.10.2015.

MACHADO SEGUNDO, Hugo de Brito. Legitimação dos tributos: algumas notas. In: “Revista de Finanças Públicas, Tributação e Desenvolvimento, vol. 3, n. 3, 2015.

MARANHÃO, Juliano Souza de Albuquerque. Por que teorizar sobre a Teoria do Direito (Estudo Preliminar à Edição Brasileira). In: RAZ, Joseph; ALEXY, Robert; BULYGIN, Eugenio. Uma discussão sobre a teoria do direito. São Paulo: Marcial Pons, 2013.

RAWLS, John. Uma Teoria da Justiça. São Paulo: Martins Fontes, 1997

RIBEIRO, Ricardo Lodi. Piketty e a Reforma Tributária Igualitária no Brasil. In: Revista de Finanças Públicas, Tributação e Desenvolvimento, v. 3, n. 3, 2015.

SANTI, Eurico Marcos Diniz de. Kafka, Alienação e Deformidades da Legalidade: exercício do controle fiscal rumo à cidadania fiscal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.

SCHAUER, Frederick. Formalism. In: “The Yale Law Journal, vol. 97, n. 4 (Mar. 1988), pp. 509-548.

__________________. Is Legality Political? In: “William & Marry Law Review, Vol. 53, Issue 2, 2011.

SMELSER, Neil J.; BALTES, Paul B. Encyclopedia of the Social & Behavorial Sciences. Vol. 13, New York: Elsevier, 2001

TORRES, Ricardo Lobo. Normas Gerais Antielisivas. In: “REDAE – Revista Eletrônica de Direito do Estado”, ed. 5, disponível em http://www.direitodoestado.com.br/artigo/ricardo-lobo-torres/normas-gerais-antielisivas, acesso em 20.10.2015, 2005a.

____________________. Tratado de Direito Constitucional Financeiro e Tributário. Volume II - Valores e Princípios Constitucionais Tributários. Rio de Janeiro: Renovar, 2005c.

____________________. Tratado de Direito Constitucional Financeiro e Tributário. Volume III - Os Direitos Humanos e a Tributação: Imunidades e Isonomia. Rio de Janeiro: Renovar, 2005b.

WAAL, Frans de. Good natured: The Origins of Wright and Wrong in Humans and Other Animals. Cambridge: Harvard University Press, 1996.


Texto completo: PDF

DOI: 10.17808/des.0.1330

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Direito, Estado e Sociedade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 1516-6104